Soja/Ponta Grossa Os negócios com a soja permaneceram travados ontem no Paraná em função da queda no mercado externo, após a divulgação do relatório do USDA, semana passada. Ontem, o preço ao produtor na região de Ponta Grossa caiu para R$ 18,80/saca, contra R$ 19,50 até o dia 11. Desde a divulgação do relatório, no último dia 12, que as cotações internacionais vêm caindo. Ontem, o preço bruto em Paranaguá foi fixado em US$ 170,86/t. No último dia 10, a cotação era US$ 178,49/t.
Com isso, não houve negócios. O período é de entressafra e os produtores não estão com pressa de vender porque não estão atrelados a nenhum débito. Ao contrário do que ocorre nos meses de março e abril, avaliou o operador José Gilmar Carvalho de Oliveira, da agência Safra Sul Mercados, de Ponta Grossa. (Vânia Casado).
Açúcar Os preços do açúcar se aqueceram novamente e algumas corretoras de NY já prevêem o produto na casa dos 12 a 13 centavos de dólar por libra-peso. Se isso ocorrer, o açúcar volta ao pico de abril de 95 (13,35 centavos de dólar).
Incertezas O mercado de açúcar vive momentos de incertezas, diz Carlos A. Widonsck, consultor da BM&F. Brasil e Austrália, dois dos principais produtores, tiveram quebra de safra, enquanto a Rússia está mais ativa nas importações.
Álcool/petróleo As incertezas com os preços do petróleo influenciam o mercado de açúcar. Se a alta continuar, e o governo rever para cima a mistura de álcool na gasolina, aumentará a demanda do produto, diz Widonsck. Por esses motivos, o mercado é uma incógnita e ‘‘todos esperam para ver o que vai acontecer’’, diz ele.
Área/Brasil No Brasil, a área deve crescer de 10% a 15%, diz Widonsck. Os preços bons do álcool e do açúcar incentivaram os produtores a cuidar mais da lavoura, o que pode gerar maior produtividade e aumentar a oferta interna.