Quem visita a 1ª feira Mídia 2000, no Centro de Exposições do Parque Barigui, logo se depara com o arsenal montado pelas grandes TVs, jornais e rádios, que não pouparam esforços para apresentar seus produtos e serviços. Mas ao percorrer os corredores, logo se percebe que a mídia alternativa ganha espaço. Os organizadores calculam que 30% dos estandes acabaram ocupados por empresas que oferecem opções novas e diferentes para anunciantes.
Entre os produtos de mídia alternativa que chamam atenção está a empresa Via Aérea Mídia Aeroportuária. A empresa curitibana desenvolveu uma comunicação para ser veiculada em aeroportos. São painéis, circuitos fechados de televisão e exposições.
Outra empresa que aposta na mídia alternativa é a Plamarc. Ela oferece às empresas e agências de publicidade a opção de anunciarem em placas de sinalização de ruas. Acima das placas são fixados os anúncios. Em Curitiba, a rede de franquias Mc‘Donalds, a TIM Telepar e a Global Telecom são adeptas a este tipo de comunicação.
O diretor comercial da Via Aérea Mídia Aeroportuária, Otávio Ricardo Marconcin, disse que é crescente o mercado que oferece formas diferentes para se anunciar. ‘‘Quando lançamos a propaganda em aeroportos havia um total desconhecimento das empresas, mas hoje conseguimos negociar direto com as agências de publicidade, pois esta mídia se tornou conhecida’’.
Hoje há 64 aeroportos no País e todos colocam publicidade no saguão e em rede de televisão. O mercado também está loteado por empresas como a Via Aérea. Há entre 15 e 20 delas atuando em todo o País. Todas se preocupam em atingir um público alvo que pertence às classes A e B.
A mídia alternativa não representa uma ameaça para as tradicionais formas de se anunciar, garantem os profissionais do setor.