Os 3,5 mil funcionários da Volkswagen/Audi em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, resolveram manter a greve por tempo indeterminado ontem. A paralisação começou na segunda-feira. O sindicato dos metalúrgicos da grande Curitiba está aguardando uma oficialização da Justiça do Trabalho sobre denúncia da direção da montadora de que a greve seria ilegal. Advogados disseram ter acionado a Justiça do Trabalho depois de uma rodada de negociações na tarde de terça-feira e não houve acordo.
O vice-presidente do sindicato, Nelson Silva Souza, não tem informação sobre o julgamento da legalidade da greve. ‘‘Cumprimos todas as medidas legais antes da paralisação e estamos deixando os funcionários dos setores estratégicos fazerem a manutenção dos equipamentos, mas sabemos que existem pressões políticas sobre a justiça e ninguém pode prever uma decisão do juiz’’, afirma. Ontem, foi realizada a primeira audiência de conciliação no Tribunal do Trabalho, mas não houve avanços. A direção da montadora, informou por meio de sua assessoria, que aguarda o julgamento da ação, que ingressou na Justiça, pedindo a ilegalidade da greve.
De acordo com Nelson Souza, não houve acordo na reunião prévia de terça-feira porque os negociadores da fábrica mantiveram a decisão de não incorporar 8,44% de remuneração variável aos salários, principal reivindicação do sindicato.