Após receber consultoria do projeto Negócio a Negócio, do Sebrae, em novembro passado, a empresária Rafaella Rodrigues de Paulo passou a ter nova visão sobre a sua loja de moda e acessórios femininos. ''Comecei a administrar com mais facilidade e propriedade e os resultados foram surgindo'', conta.
Embora já estivesse há cerca de dois anos à frente do empreendimento, Rafaella reconhece que faltava experiência por nunca ter gerido um negócio antes e por isso, procurou o Sebrae para auxiliá-la na nova empreitada. ''Primeiramente foi feita uma análise geral e recebi algumas dicas sobre como funciona o pequeno negócio. A partir da segunda visita já começaram a aparecer as mudanças positivas, pois resolvi colocar em prática as orientações que recebi, prestando atenção em muitas coisas que até então passavam desapercebidas'', diz.
Por meio do programa Negócio a Negócio, o Sebrae tem ajudado muitas pequenas empresas, como a de Rafaella, a aprender mais sobre o mercado, superar dificuldades e ter sucesso. O atendimento, por sua vez, ocorre em três etapas. Na primeira visita, o consultor do órgão faz uma aborgagem inicial e elabora um diagnóstico da empresa junto com o proprietário, apontando os problemas mais comuns enfrentados por empresas de pequeno porte. No segundo encontro, ajuda o empresário a estruturar um plano de ação para definir prioridades do diagnóstico, além de elaborar um relatório que é fornecido à empresa visando promover ajustes nas áreas críticas ou potencializando as áreas fortes.
A terceira visita acontece até três meses depois do primeiro encontro. ''É quando o consultor faz um acompanhamento das ações conduzidas pelo empresário'', explica André Basso, coordenador do projeto. ''Temos a clareza de que o problema da empresa não será resolvido em três visitas. Por isso, o nosso objetivo é despertá-la para a importância da busca da informação, do planejamento e da capacitação de forma que se torne mais competitiva'', reitera Heverson Feliciano, gerente da Regional Norte do Sebrae.
Ele relata que a unidade mapeou todos os bairros de Londrina e levantou as empresas que têm perfil para serem atendidas dentro do projeto - micros e pequenas com até dois anos de vida e quatro funcionários. A estimativa do Sebrae é que 1,3 mil empresas sejam atendidas até novembro. A iniciativa, renovada anualmente, teve início em 2010 e pretende contemplar cinco mil empresas londrinenses até o final de 2012. De acordo com Basso, com base no cadastro da Receita Federal de 2009, o município possui 21,3 mil microempresas ativas.
''No geral, observamos que os resultados são positivos, mas ainda não temos um relatório que demonstre isso. Os empresários que se dedicam têm obtido melhorias'', garante o coordenador do projeto. ''Neste sentido, continuaremos trabalhando para que a taxa de sobrevivência das nossas empresas aumente'', completa.
Serviço
Empresários que tiverem interesse em receber a consultoria do Negócio a Negócio devem entrar em contato com o Sebrae pelo 0800 570 0800.

Imagem ilustrativa da imagem Mais vida às micros e pequenas