Curitiba - A produção industrial paranaense despencou 13,5% em setembro, a maior queda do País segundo Pesquisa Mensal da Indústria (PMI) divulgada ontem pelo IBGE. Apesar disso, na comparação com o mesmo mês do ano passado a indústria do Paraná avançou 1,5%, 9,6% no fechamento do terceiro trimestre de 2011 e 4,4% no acumulado de janeiro a setembro. O indicador acumulado nos últimos doze meses aponta alta de 4,2%.
A desaceleração eliminou parte do ganho obtido em agosto mas, segundo o economista Roberto Zucker, do Departamento Econômico da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), a previsão é de que o acumulado do ano ainda possa se manter nos 4%, bem acima da média nacional.
''Esta oscilação acontece, principalmente, porque em agosto tivemos um desempenho fora do normal e em setembro os feriados acabaram impactando no resultado final. Naturalmente, é um mês que se registra uma desaceleração. Mas se verificarmos o acumulado do ano, permanecemos com 4,4%, que é um índice satisfátorio e bem acima da média nacional, de 1,1%'', afirmou Zucker.
Atividades
A principal influência negativa no mês de setembro veio do setor de edição e impressão (-46,4%), seguido pelo setor de máquinas e equipamentos (-15,4%). ''No caso dos setores de edição e impressão, a grande maioria das empresas trabalha sob encomenda e, aqui no Paraná, muitas delas ocorreram nos meses de julho e agosto. Em setembro era normal que houvesse esta redução. No setor de máquinas e equipamentos, a movimentação é parecida. Em um mês as indústrias recebem pedidos grandes. No outro, a queda é natural'', apontou o economista.
O impactos positivos aconteceram nos setores de veículos automotores (28,6%) e de refino de petróleo e produção de álcool (31,9%).

Imagem ilustrativa da imagem Indústria do PR cresce quase três vezes mais que a do país