|
  • Bitcoin 104.476
  • Dólar 5,1827
  • Euro 5,4179
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 02/06/2022, 17:53

Inadimplência cresce 128% de janeiro a maio em Londrina

Levantamento da Acil compara os dados de 2022 com os primeiros cinco meses do ano passado; inadimplência teve alta de 24% em mai

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 03 de junho de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

Foto: iStock
menu flutuante

O número de consumidores londrinenses que não conseguiram quitar suas dívidas e tiveram o nome inscrito no cadastro do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) mais que dobrou no período de janeiro a maio de 2022 na comparação com igual período do ano passado. Levantamento da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina) divulgado nesta quinta-feira (2) aponta alta de 128% no número de endividados nos primeiros cinco meses do ano. A inadimplência também aumentou em maio ante abril. O crescimento foi de 24%.   

A alta expressiva no índice de devedores é um dado preocupante porque o lojista não recebe pela venda, na avaliação do consultor econômico da Acil, Marcos Rambalducci, mas ele ressalta que este é um movimento esperado em razão do “aumento significativo nas vendas”. “Mais consumidores adquirindo a prazo significa também que o número absoluto daqueles que não conseguirão honrar o compromisso assumido tende a aumentar.” 

O economista chama a atenção para o número de devedores que conseguiu limpar o nome e sair da lista de negativados. Maio foi o quinto mês consecutivo com percentual positivo nesse indicador. No mês passado, comparado a abril, aumentou em 1% o número de consumidores que saíram do SPC, mas no acumulado do ano, este percentual já é 130% maior do que o registrado no mesmo período de 2021. "Se o aumento nas vendas justifica a subida na inadimplência, a geração de novos postos de trabalho com carteira assinada ajuda a entender o percentual elevado de consumidores que estão conseguindo limpar o nome", afirmou o economista.  

Com o crescimento proporcional do número de consumidores que deixaram a lista de negativados, é possível manter a base de clientes com capacidade de tomar crédito praticamente no mesmo patamar, destacou Rambalducci.  

Leia mais: https://www.folhadelondrina.com.br/economia/embargos-a-russia-ampliam-crise-do-diesel-no-brasil-3206219e.html

“A boa queda na inadimplência é aquela que vem acompanhada da manutenção ou aumento nas vendas. Verificamos essa ocorrência quando a taxa de desemprego cai de forma consistente acompanhada do aumento médio da renda do trabalhador. Este cenário ainda não é realidade no país, embora estejamos criando novos postos de trabalho e trazendo o desemprego para percentuais melhores. Mas a renda, no geral, tem caído também”, ponderou o economista.  

Rambalducci avalia que o número de pessoas empregadas apresenta uma curva de subida, mas o cenário ainda é de “muita incerteza” para os próximos meses, em especial com a aproximação das eleições. “Caso o ambiente político não degrade a economia e consigamos repetir o desempenho destes primeiros cinco meses em termos de geração doe emprego e renda, há, sim, uma tendência de recuo na inadimplência e aumento na base de clientes com capacidade de tomar crédito.” 

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1