|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

ESTELIONATO 5m de leitura Atualizado em 10/01/2022, 14:01

Golpistas utilizam falsas vagas de empregos para roubar dados

Criminosos se passam por recrutadores de empresas para oferecer trabalho via WhatsApp e SMS; confira dicas para evitar cair em armadilhas

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

Daniel Muniz - Especial para a FOLHA
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Aproveitando-se da busca por empregos no começo de ano e o número de desempregados no Brasil, golpistas vêm ofertando falsas vagas de emprego por mensagens via WhatsApp e SMS para roubar dados pessoais de vítimas. Em alguns golpes, os criminosos se passam por recrutadores e executivos de grandes empresas, passando uma sensação de falsa credibilidade à vítima.

Imagem ilustrativa da imagem Golpistas utilizam falsas vagas de empregos para roubar dados
|  Foto: iStock
 

“É um momento econômico delicado e, por conta da evolução da tecnologia, passamos mais tempo na internet e a utilizamos para procurar emprego. Os criminosos estão atentos a isso e sabem que se enviarem mensagens com falsas vagas, é provável que farão algumas vítimas”, disse Fernando Peres, advogado especialista em direito digital e crimes cibernéticos. “Existem vários objetivos para os criminosos, o primeiro deles é capturar dados das vítimas para praticar novos golpes em compras e empréstimos, por exemplo”, explicou.

DADOS BANCÁRIOS

Além da captura de dados pessoais, em alguns golpes são cooptados dados bancários. Em outra modalidade de golpe explicada pelo advogado, os criminosos ofertam supostos empregos com altos salários, dizem que a vaga já está garantida, mas que é necessário fazer um curso ou pagar uma taxa administrativa e um valor é cobrado da vítima. Há também golpes em que é feito o sequestro da conta do WhatsApp da vítima para pedir dinheiro emprestado aos seus contatos.

GUARDAR PROVAS

“A vítima deve sempre guardar as provas e as comunicações com esses golpistas e registrar um boletim de ocorrência. Se ela fez algum tipo de pagamento, deve contatar imediatamente o banco ou instituição financeira que foi usado para tentar bloquear e reter esse valor. Quanto mais tempo passa, mais difícil fica esse bloqueio. Especialmente agora com o PIX, o criminoso tem acesso muito rápido a esses valores”, recomendou Peres.

COMO EVITAR 

Para evitar cair nesse tipo de golpe, o advogado sugere prestar atenção a erros gramáticas nas mensagens dos criminosos e sempre desconfiar quando requisitarem dados pessoais por mensagens. Em geral, as empresas costumam pedir envio de currículos por e-mail e fazer mais um contato presencial, por telefone ou via videoconferência. Também não é comum a cobrança de taxas. Agências de emprego que intermedeiam vagas tem uma forma diferente de cobrança.

“Tem que tomar cuidado com ofertas muito sensacionalistas. Grandes empresas muitas vezes possuem seu canal próprio de divulgação de vagas de emprego. Se receber uma proposta dessa, é possível verificar no site da própria empresa a veracidade da vaga. Se for uma empresa desconhecida, é importante também verificar na internet os canais oficiais e entrar em contato”, aconselhou. 

Os golpistas podem ser enquadrados em diversos crimes, em especial, o estelionato, que tem pena de um a cinco anos de reclusão. Dependendo do golpe, também há a possibilidade do criminoso responder por furto mediante fraude e crime de falsa identidade, quando há a clonagem do WhatsApp da vítima.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM