Kelly Lima
Agência Estado
A varredura contra o cancro cítrico realizada em todo o Estado de São Paulo desde maio do ano passado identificou 4.087 focos em propriedades localizadas principalmente na região Noroeste do Estado, entre Araçatuba e Andradina, segundo divulgou o Fundo Paulista de Defesa da Citricultura (Fundecitrus). O número é quase dez vezes maior do que no ano anterior, quando haviam sido identificados 457 focos da doença.
Segundo o Fundecitrus, que contratou quatro mil técnicos em maio de 99 para fazer a vistoria em 162 milhões de pés de laranja em todo o Estado, a fase final da varredura está ocorrendo este mês com o término da erradicação dos pés. Já foram erradicados 1,5 milhão de pés contra um milhão no ano anterior. O número de pés já erradicados corresponde a cerca de 90% do total de plantas contaminadas no Estado.
Este ano, segundo o presidente do Fundo, Ademerval Garcia, foi necessário erradicar um número menor de pés porque a maioria das plantas contaminadas estava em pequenas propriedades ou mesmo nos quintais de residências. Para este ano, o Fundecitrus pretende repetir o trabalho, com investimentos de R$ 35 milhões, os mesmos do ano passado. Para isso, o Fundo manteve pelo menos três mil dos quatro mil técnicos contratados, que deverão realizar a reinspeção a partir do próximo mês.
O Fundo também aguarda a liberação de verba já prometida pelo Ministério da Agricultura e Abastecimento, de R$ 50 milhões para um período de três anos. Desse total, apenas R$ 5 milhões chegaram efetivamente aos cofres do Fundecitrus.