A Fiat Automóveis confirmou ontem que, a partir de 6 de novembro, vai instalar uma peça de reforço nos cintos de segurança de 320 mil modelos Palio, Siena e Weekend com motores 1.0 e picape Strada produzidos a partir de maio de 1998. Versões com motorização maior e a nova família Palio, lançada no mês passado, não estão incluídas nesse recall.
A peça, formada por parafusos e arruelas de aço, está sendo produzida pela TRW a pedido da Fiat e começará a ser entregue às revendas da marca em todo o País no início do próximo mês. O diretor de Comunicação da montadora, Marco Antônio Lage, afirmou que não há riscos de rompimento do cinto e que a medida só está sendo adotada para tranquilizar os consumidores.
Processo criminalA confirmação do recall da Fiat ocorre três dias depois de a General Motors ter iniciado a convocação de 1,3 milhão de donos de Corsa e 2.672 proprietários do importado Tigra para a instalação de um reforço no trilho que dá suporte aos cintos de segurança. Em ambos os casos o problema não é diretamente com os cintos, mas com peças e equipamentos usados no suporte do produto. No caso da GM, há registros de 25 acidentes, dois com vítimas fatais.
O Ministério Público Estadual (MPE) acompanha o caso e, se julgar necessário, poderá abrir processo criminal para apurar responsabilidades. A promotora Parisina Zeiglaer já encaminhou à Promotoria Criminal ofício para que seja analisada a possibilidade de abertura de inquérito policial para apurar porque a empresa demorou mais de um ano para comunicar aos consumidores sobre o risco de o cinto se soltar em caso de impacto.