CONSTRUÇÃO FeiraCon deve negociar R$ 8 milhões Até ontem, vendas ultrapassaram os R$ 2,2 milhões. Cerca de 14 mil visitantes já passaram pelo evento, que termina amanhã Mário CésarNEGOCIANDOA empresa Thyssen Sur assinou ontem contratos de R$ 220 mil com a venda de dois elevadores e tentava fechar mais R$ 180 mil; nos corredores da FeiraCon, mais de 14 mil visitantes até ontem Cláudia Lopes De Londrina O volume de negócios gerados durante os cinco dias da FeiraCon 2000 – Feira da Construção – deve chegar a 8 milhões, segundo estimativa dos organizadores. Até ontem, as vendas ultrapassavam os R$ 2,2 milhões. A feira, que acontece no Centro de Exposições e Eventos de Londrina, termina amanhã. Cerca de 14 mil visitantes já passaram pelo evento desde a última quarta-feira. No estande da Thyssen Sur foram assinados ontem à tarde contratos com duas construtoras de Londrina. Um com a Vectra, que comprou dois elevadores, num negócio de R$ 110 mil, e outro com a Plaenge, que adquiriu dois equipamentos para o edifício Central Park, de cerca de R$ 100 mil. A empresa também negociava a venda de mais quatro elevadores com a Serteng, que deverão custar juntos R$ 180 mil. Para o proprietário da Vectra, Manoel Alves Nunes, que há 60 dias vinha contatando empresas de elevadores, a feira é um bom local para efetivar as compras porque se pode ver os equipamentos em exposição. Ontem, a Galmo Engenharia também assinou contratos para compra de fechaduras, alumínios, granito, assoalhos e pisos. ‘‘O total chegou a R$ 840 mil mas tenho projeção para gastar mais R$ 200 mil até amanh㒒, contou o proprietário da Galmo, Antonio Galindo Moreno. A empresa Indrel fechou até agora contratos no valor de R$ 300 mil, segundo o diretor José Augusto Rapcham. ‘‘O movimento na feira foi bem acima do esperado. Só no primeiro dia recebemos 30 consultas. A grande vantagem é que o público é especializado’’, disse. ‘‘A feira continuará gerando negócios num prazo de um ano. Muitas pessoas que estão começando a construir neste momento vão precisar de sistema de ar-condicionado daqui a um ano’’, afirmou. Até ontem, a Visacor vendeu o equivalente a R$ 250 mil em tintas. ‘‘Somente no primeiro dia foram feitos 12 negócios’’, contou o gerente de vendas, Waldeir da Silva, que se diz bastante satisfeito com o resultado do evento. A PPA, representação de portas e portões eletrônicos, concretizou mais de 50 negócios, que somaram cerca de R$ 50 mil. Além de ter vendido cerca de R$ 14 mil em telhas para a Dinardi Construções Civis, A Artiteto negociava ontem a venda de outras 50 mil peças, que equivalem a R$ 60 mil. A única imobiliária com estande na feira, a Romeu Curi, vendeu um apartamento de R$ 160 mil no edifício Solar dos Pioneiros anteontem à noite. Até amanhã, a imobiliária deve fechar a venda de outros dois empreendimentos, de R$ 46 mil cada. Já a La Fonte faturou até agora R$ 100 mil no evento, segundo a vendedora Adriana Azevedo. ‘‘Tivemos que mandar buscar mais catálogos promocionais em São Paulo porque os nossos acabaram’’. As promotores da FeiraCon são o Sinduscon e a empresa Londrina Eventos. A feira funciona hoje das 10 horas às 23 horas e, amanhã, das 10 horas às 22 horas.