|
  • Bitcoin 119.855
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 11/03/2021, 00:05

Estados do Sul sentem menos desemprego recorde no País

Vinte unidades da registraram a maior taxa de desocupação da história; situação é pior no Nordeste

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 11 de março de 2021

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Estados do Sul sentem menos desemprego recorde no País Imagem ilustrativa da imagem Estados do Sul sentem menos desemprego recorde no País
|  Foto: Isaac Fontana/FramePhoto/Folhapress
 

A pandemia do novo coronavírus levou a taxa de desemprego a recordes em 20 estados brasileiros em 2020, informou nesta quarta (10) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). As maiores taxas foram verificadas em estados do Nordeste e as menores, no Sul.

Segundo o IBGE, as maiores taxas de desocupação em 2020 foram verificadas na Bahia (19,8%), Alagoas (18,6%), Sergipe (18,4%) e Rio de Janeiro (17,4%), enquanto as menores com Santa Catarina (6,1%), Rio Grande do Sul (9,1%) e Paraná (9,4%). Os dados do último trimestre reforçaram a desigualdade nos impactos da pandemia no mercado de trabalho. Enquanto a taxa de desemprego entre os homens foi de 11,9%, entre as mulheres foi de 16,4%. A diferença entre a taxa dos dois casos se ampliou em relação aos trimestres anteriores.

De acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), os ocupados no Paraná na pandemia caíram 3,11%, indo de 5,524 para 5,352 milhões, com a perda de 172 mil ocupações. Analisando os dados por posição na ocupação, em termos absolutos, a maior queda se deu nos empregados no setor privado, com a redução de 367 mil ocupações (-12,83%), influenciado principalmente pela queda nos empregos com carteira de trabalho, que representou 60,2% da perda (-221 mil), seguida pelos trabalhadores domésticos, com perda de 30 mil empregos (-9,46%)”.

Por outro lado, o maior avanço no período foi observado na posição de empregados no setor público, com a criação de 139 mil ocupações (23,92%), reflexo das contratações feitas pelo setor público para o enfrentamento da pandemia. 

Os dados do IBGE confirmam também que mulheres e negros foram mais penalizados pela crise no mercado de trabalho. Brasileiros com menor escolaridade também tiveram taxa de desemprego superior à média nacional. No ano, a taxa de desemprego ficou em 13,5%, a maior desde 1993, segundo levantamento da consultoria iDados. 

No quarto trimestre, a taxa de desemprego no país foi de 13,9%, a maior para o período de toda a série histórica do IBGE, iniciada em 2002. Em termos absolutos, a população desocupada (que não trabalha mas busca uma vaga) em 2020 atingiu a média de 13,4 milhões de brasileiros, 840 mil a mais do que o observado em 2019 e a maior marca da série histórica da Pnad. 

Já entre as pessoas pretas, a taxa foi de 17,2%, enquanto a dos pardos foi de 15,8%, ambas acima da média nacional (13,9%). Já a taxa dos brancos (11,5%) ficou abaixo da média, disse o instituto. Entre os grupos etários, os jovens foram os mais afetados pelo desemprego no quarto trimestre. No grupo das pessoas de 18 a 24 anos, por exemplo, a taxa de desemprego ficou em 29,8%.

Brasileiros com ensino médio incompleto também tiveram desemprego maior do que a média, com 23,7%. Na outra ponta, a taxa do grupo de pessoas com nível superior completo foi de apenas 6,9%. O quarto trimestre de 2020 foi o último em que houve liberação do auxílio emergencial. Desde setembro, porém, o valor foi reduzido para R$ 300, ante os R$ 600 pagos nos meses anteriores. Com a redução, a taxa de desemprego passou a sofrer maior pressão, com mais gente em busca de uma vaga.