Empresas de alto rendimento empregam 8% dos trabalhadores

Elas são raras, mas empregam bastante. Em 2017, segundo o IBGE, o Brasil e o Paraná tinham respectivamente 20.306 e 2.933 empresas de alto crescimento

Nelson Bortolin - Grupo Folha
Nelson Bortolin - Grupo Folha

 

Elas não chegam a representar 0,5% das 31,8 milhões de empresas do País, mas empregam 2,5 milhões de pessoas, ou 8% dos 31,8 milhões de assalariados. Os números fazem parte do estudo Demografia das Empresas e Empreendedorismo 2017, divulgado na semana passada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas).


São as empresas de alto crescimento que, no conceito da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), aumentam o número de funcionários em pelo menos 20% ao ano por três anos consecutivos ou mais. No início do período analisado, elas precisam ter no mínimo dez empregados.




Empresas de alto rendimento empregam 8% dos trabalhadores
Divulgação
 




Em todo o País, havia 20.306 empresas de alto crescimento em 2017. As unidades locais, que incluem as filiais, somavam 44.659, sendo que o Paraná era o quarto estado com mais empresas do tipo. Eram 2.933 unidades locais, ou 6,7% do total.


Heverson Feliciano, coordenador da Linha Estratégica de Empresas de Alta Performance do Sebrae/PR, explica que, em todo o mundo, essas firmas servem de referência para ajudar a elevar a produtividade das demais. E conta que 85 empresas do Estado acabam de concluir um ciclo de capacitação oferecido pelo Sebrae, que durou dois anos e meio. “Pegamos empresas que já tinham esse patamar de crescimento de 20% ao ano. Queremos transformá-las em médias ou grandes.”


As 50 melhores, segundo ele, tiveram um crescimento médio de 93% nesses dois anos e meio.


No próximo ano, o Sebrae abrirá novo ciclo para empresas de alto crescimento, que a partir de agora durará apenas um ano. Empresas que crescem 20% ao ano por ao menos três anos consecutivos podem procurar o Sebrae, caso tenham interesse em participar. “Nossa meta é que, em três ou quatro anos, 400 empresas tenham passado pelo ciclo.”


PERSISTENTES


A Endeavor, organização internacional de estímulo a empreendedores, fez um estudo das empresas de alto crescimento a partir dos números do IBGE. E observou que existem as “one-hit wonders” – que seriam firmas com altíssimo crescimento por curto período – e as de alto crescimento persistente, ou seja, que crescem a taxas elevadas por mais tempo.  


As empresas foram analisadas no período de 2012 a 2016. Das cercas de 26 mil existentes no País em 2015, a Endeavor identificou 16,1 mil como persistentes, sendo 11,8 mil de pequeno porte, ou 73,1% do total.


A organização sustenta que as empresas instaladas em regiões com maior gasto em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e onde a população tem maior escolaridade, apresentam maior probabilidade de estar nos grupos com alto crescimento. “Há evidências que o maior alto crescimento persistente está associado à disponibilização de uma infraestrutura tecnológica e educacional mais sofisticada.”


GAZELAS


Dentre as empresas de alto crescimento, há as denominadas gazelas, que, além de crescer no mínimo 20% durante três anos consecutivos, precisam ter no máximo cinco anos de fundação.  As gazelas representavam 11,9% das empresas de alto crescimento no País em 2017. No Paraná, a participação delas era menor, 9%.

 

EMPRESA DE MARINGÁ CRESCEU QUASE 50% EM 2018


A DB1, de Maringá, é uma empresa de alto crescimento e caminha para ser uma das "persistentes" na classificação da Endeavor. Ela cresce mais de 20% desde 2015, quando tinha 234 funcionários.


A DB1, que atua na área de TI, deve fechar 2019 com 600 funcionários e continuar crescendo num ritmo de 40% ao ano
A DB1, que atua na área de TI, deve fechar 2019 com 600 funcionários e continuar crescendo num ritmo de 40% ao ano | Divulgação
 


Neste ano, a empresa, que presta serviços de tecnologia da informação (TI), vai completar cinco anos consecutivos nessa condição. Atualmente, são 563 empregos formais. “Vamos fechar o ano com 600 funcionários e continuar crescendo num ritmo de 40% ao ano”, afirma o diretor de gestão de pessoas, Victor Cobo. De 2017 para 2018, o crescimento foi de 48%.

“Nosso foco está em pessoal. Nos esforçamos em mostrar para os colaboradores a importância do trabalho deles”, ressalta.  De acordo com o diretor, ao menos 40% dos trabalhadores têm certificação nas áreas em que atuam.

A DB1 foi aberta em 2000 e, de acordo com Cobo, teve crescimento tímido nos primeiros anos. “Até 2011, crescíamos num ritmo de 10% ao ano.”



A empresa, que já tem filial em Presidente Prudente (SP), vai abrir em breve uma sede em Campo Grande (MS). E, em Maringá, está de mudança para um espaço maior. 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo