|
  • Bitcoin 122.374
  • Dólar 5,1115
  • Euro 5,2173
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 25/02/2021, 10:38

Embates marcam primeiro dia de audiência pública do pedágio

Deputados e representantes de entidades expuseram insatisfação com projeto proposto; técnicos da ANTT garantiram que reivindicações serão ouvidas para definição do modelo

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Simoni Saris - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Embates marcam primeiro dia de audiência pública do pedágio Imagem ilustrativa da imagem Embates marcam primeiro dia de audiência pública do pedágio
 

O primeiro dia de audiência pública sobre o novo programa de pedágio no Paraná terminou com muitas críticas de representantes de vários setores da sociedade paranaense que se inscreveram para se pronunciar sobre a minuta de contrato de concessão das rodovias paranaenses. Os técnicos da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) fizeram ponderações sobre os apontamentos, mas a discussão parece estar longe de ter um consenso entre as partes.

Na noite anterior, 43 deputados do Paraná chegaram a solicitar a suspensão da audiência pública, alegando existir uma série de uma série de ilegitimidades que colocam em risco todo o processo, mas a ANTT manteve a programação. Diante de uma série de questionamentos, os técnicos informaram que a audiência é apenas o primeiro contato com a população paranaense e garantiram que todo o processo levará em conta as objeções dos paranaenses.

A audiência pública foi transmitida de Brasília pela internet e reuniu até 400 participantes simultâneos. Boa parte deles enfatizou o posicionamento contrário à outorga de 25% e ao limite de desconto tarifário, fixado em 17,4%. Dois pontos que vinham sendo questionados reiteradamente. O leilão híbrido, modelo até então defendido pelo governo federal, alia a menor tarifa à outorga onerosa. Nessa modalidade, vence a disputa a empresa que oferecer o maior desconto. No caso de empate, no entanto, o critério passa a ser o maior pagamento. Conforme o projeto, 75% ficariam na concessão para dar segurança na execução de obras e proteger os contratos e 25% iriam para uma conta do governo federal. 

MUDANÇA

No meio da reunião, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, porém, gravou vídeo anunciando que 100% do valor seria destinado à concessão. Entre os críticos da proposta, o principal argumento era de que a outorga poderia ser considerada um imposto indireto e que esses recursos não seriam investidos no Estado. 

Durante a audiência pública, técnicos da ANTT argumentaram que a outorga era estritamente necessária para garantir a execução das obras viárias. Diante das propostas de se encontrar outras formas de assegurar as melhorias na infraestrutura rodoviária, os representantes da agência reguladora chegaram a afirmar que não existem mecanismos eficientes para isso. “Nosso setor de garantias para desempenho, na prática, não é desenvolvido o suficiente. A gente trabalha com caução, garantias, multa, mas quando tentamos executar, encontramos artifícios e acaba que elas não funcionam. Não são tão interessantes quanto o depósito dos recursos em uma conta vinculada ao projeto”, disse o gerente de Regulação e Outorga de Rodovias da ANTT, Marcelo Fonseca Cardoso. 

Com a mudança anunciada pelo ministro, 100% dos recursos ficarão com a concessão. “A proposta de outorga não vai ser acolhida. Vamos ter todos os recursos dentro dos projetos. Isso, com certeza, vai amortecer o impacto tarifário. Considero que essa é uma conquista da bancada federal (do Paraná) e ao mesmo tempo a gente tem um contrato que vai estar sadio, que vai proporcionar investimentos, que é o que todo paranaense quer, no final das contas”, declarou Freitas. O anúncio da exclusão da taxa de outorga foi feito ao final de uma reunião com a bancada federal do Paraná e representantes do setor produtivo do Estado. 

REPERCUSSÃO

Para o deputado estadual Arilson Chiorato (PT), que coordena a Frente Parlamentar sobre o Pedágio, a informação que se tem pelo vídeo do ministro é que a medida não exclui a outorga. “Na verdade, a taxa se mantém: a diferença é que ela será totalmente utilizada para as obras das concessionárias, e não é mais direcionada ao governo federal”.

Segundo ele, a mudança não resolve um dos problemas que vinha sendo atacado pela Frente Parlamentar, que é o limite de desconto tarifário, de 17,4%. “Isso não diminui em nada a tarifa. O que a Frente quer é que tire o limitador de desconto.” O deputado estadual afirmou que irá analisar melhor a proposta. “Isso piorou o cenário, a não ser que venha uma proposta no papel formal que diga que vai ser abatida a tarifa. O vídeo (do ministro) não diz como vai ser. A princípio, favorece o concessionário. Tomara que eu esteja errado.”

O deputado Tercílio Turini também criticou a proposta. “As explicações de vocês [ANTT] mais confundem do que explicam. Esse projeto precisa ser muito aprofundado. Há pontos que parecem provocação, como a previsão de criação de praças dentro de Londrina, separando a cidade e os distritos”, manifestou-se.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa do Ministério da Infraestrutura expôs que “o leilão para cada um dos seis lotes ainda seguirá o que está proposto no projeto: a menor tarifa dentro de um desconto projetado pelo Governo Federal, que pode chegar a 17%”. Segundo a nota, em caso de dois ou mais grupos ofertarem a mesma tarifa será utilizado esse maior “valor de desempate”, que agora, conforme anunciou o ministro, ficará integralmente na própria rodovia em benefício ao usuário.

A deputado federal Luísa Canziani (PTB), que participou de um encontro entre o ministro e a bancada federal, pela manhã, disse que saiu da reunião muito otimista. “Os paranaenses estão com muita angústia e muitas dúvidas com relação a esse modelo e, por isso, solicitamos essa reunião e saímos com alguns resultados”, disse, citando a mudança na destinação dos recursos da outorga onerosa.

A audiência pública continua nesta quinta-feira (25), a partir das 9 horas, com transmissão ao vivo pelo canal da ANTT no YouTube. (Colaborou Mie Francine Chiba)

Atualizada às 20h20