A Diveo do Brasil Telecomunicações – subsidiária da norte-americana Diveo Broadband Networks – inaugurou ontem suas instalações em Curitiba, de onde pretende cobrir todos os municípios da Região Metropolitana. Com um potencial de investimento inicial entre US$ 15 milhões e US$ 20 milhões, a empresa vai fornecer serviços de transmissão de voz, vídeo, dados e Internet para médias e grandes empresas. O Paraná é o quinto Estado a ter uma filial da Diveo, já há dois anos em São Paulo.
A meta é conquistar pelo menos 20% dos mercados regional e nacional de transmissão de dados nos próximos anos, onde são movimentados US$ 2 bilhões. Somente no Paraná são US$ 120 milhões. A expectativa da diretoria da Diveo do Brasil é feita com base no crescimento do mercado, que tem sido de 50% ao ano. ‘‘Este aumento deve se manter até 2004, quando haverá uma desaceleração, pois a demanda reprimida terá sido atendida’’, afirmou ontem o presidente no Brasil, Luiz Roberto Martins.
Com uma capacidade de investir US$ 435 milhões no Brasil, metade do que destinou para a América Latina, a Diveo se instalou no País, após dois anos de atuação nos Estados Unidos. A empresa percebeu a oportunidade de mercado que se abriu com a privatização da Telebras, em julho de 1998. A empresa atuará pelo sistema de banda larga, que utiliza ondas de rádio, ao invés de fibras ópticas em seu sistema de telecomunicação. Segundo o vice-presidente regional da Diveo, Cid Blanco Filho, o preço dos serviços em banda larga se equivale ao da fibra óptica. Blanco informou que a empresa já instalou 70 circuitos em Curitiba e Região Metropolitana.
A Diveo atuará em três grandes segmentos em Curitiba, mas o principal foco inicial será o mercado corporativo, com a ligação de escritórios com linhas de alta velocidade. Além de Curitiba e São Paulo, a Diveo está também em Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.