Representantes da Novoeste Distribuidora de Petróleo afirmaram ontem, na redação da Folha, que a nota fiscal de venda de gasolina apresentada pelo posto de combustíveis Inglaterra como sendo emitida pela distribuidora é falsa. No último dia 20, policiais da Força-Tarefa flagraram um caminhão com 7,3 mil litros de gasolina adulterada naquele posto.
O advogado da empresa, Richard Alves, e o gerente comercial, Luis Claudio Pinheiro, estiveram na delegacia ontem para acompanhar o caso. Segundo eles, na delegacia há apenas um fax da nota. Por enquanto, a nota original não foi apresentada. Eles informaram que também solicitaram à polícia de Guarulhos a instauração de inquérito para apurar o caso.
''Queremos saber de quem o posto comprou o combustível, quem entregou, em nome de quem a ordem de pagamento foi emitida. Nunca tivemos relação comercial com este posto'', afirmou o advogado. Ele disse ainda que a cópia da nota apresentada não tem nada a ver com a documentação utilizada pela distribuidora.
Após a conclusão do inquérito, a distribuidora pretende entrar com pedido de indenização contra os responsáveis pelo envolvimento da Novoeste na denúncia de venda de gasolina adulterada. Luis Pinheiro afirmou que esta é a primeira vez que a empresa enfrenta problema semelhante. Informou ainda que a distribuidora, com sede em Guarulhos e filial em Assis, atua nos estados de São Paulo e Paraná e está no mercado norte-paranaense há apenas três ou quatro meses. Os negócios com o Paraná são realizados apenas pela filial de Assis.
Os representantes da empresa informaram que o posto emitiu uma nota de devolução do produto adulterado para Guarulhos, sendo que na nota de compra a origem do produto era Paulínea. ''Esse é mais um ponto a ser esclarecido'', disseram. Eles aconselham a quem tiver nota da Novoeste entrar em contato com a empresa pelo fone (0XX18)3324.8222, para conferir as informações.
A reportagem da Folha tentou falar com o dono do Posto Inglaterra, mas ele não retornou a ligação.