Desaceleração na economia aprofunda queda na venda de etanol nas usinas


MARCELO TOLEDO
MARCELO TOLEDO

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A desaceleração na economia causada pelas medidas de isolamento social adotadas nos estados devido à pandemia do novo coronavírus fez despencar a comercialização de etanol nas usinas na primeira quinzena de abril.

Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (29) pela Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), que reúne unidades produtoras de açúcar e etanol no centro-sul do país, as vendas de etanol hidratado somaram 560,48 milhões de litros, queda de 35,77% em relação ao mesmo período da safra anterior.



O levantamento mostra também que a redução na comercialização foi acentuada em relação à segunda quinzena de março, que teve queda de 20,81% nas vendas do etanol hidratado -utilizado diretamente pelos carros flex-- em relação ao mesmo período de 2019.

Além da queda da demanda, a Unica aponta as retrações nas cotações do petróleo e o recuo nos preços do açúcar como motivos da redução do faturamento do setor. A receita com etanol caiu aproximadamente 50% em relação ao mesmo período do ano passado, diz a entidade.

"O anúncio de medidas emergenciais é absolutamente urgente e necessário para reduzirmos o risco de colapso das atividades do setor", afirmou Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da Unica.

De acordo com ele, estão em jogo a manutenção de toda a cadeia produtiva e os empregos no setor.

Enquanto a venda de etanol caiu, a moagem de cana-de-açúcar cresceu e teve na primeira quinzena de abril o segundo melhor período da série histórica, atrás somente da safra 2016/17.



Foram moídas 22,38 milhões de toneladas de cana pelas 178 usinas que iniciaram as atividades no centro-sul brasileiro, ante as 157 que estavam em operação no mesmo período da safra passada. Em 2019, foram 13,9 milhões de toneladas moídas no período.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo