Cresce abertura de empresas no varejo paranaense


Aline Machado Parodi Reportagem Local
Aline Machado Parodi Reportagem Local
Segundo levantamento da Fecomércio PR, no ano passado, o Estado apresentou o primeiro aumento real no volume de vendas desde o início da crise econômica, em 2014
Segundo levantamento da Fecomércio PR, no ano passado, o Estado apresentou o primeiro aumento real no volume de vendas desde o início da crise econômica, em 2014 | Ricardo Chicarelli/11-01-2019




Duas pesquisas divulgadas nesta segunda-feira (4) trazem dados positivos sobre o volume de aberturas de empresas em 2018. De acordo com levantamento da Boa Vista, empresa que administra o SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), o número de novas empresas cresceu 14% no Brasil no ano passado, em relação ao ano anterior.
O estudo da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) e da Fecomércio PR (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná) aponta crescimento no varejo. O Paraná foi o quinto Estado que registrou maior saldo positivo.
O saldo de aberturas e fechamentos de lojas com vínculos empregatícios no Paraná foi positivo, com 762 novos estabelecimentos comerciais. Em 2017, foram registrados 951 fechamentos de empresas no Estado. Nos anos anteriores, o cenário estava ainda pior: em 2016, 8.309 lojas encerraram suas atividades, e em 2015 foram 9.643.
O varejo nacional ganhou 8,1 mil novas lojas no ano passado e começa a reverter a redução sofrida entre os anos de 2015 e 2017, em que o setor acumulou fechamento líquido de 223 mil estabelecimentos comerciais.
O varejo paranaense apresentou em 2018 o primeiro aumento real no volume de vendas desde o início da crise econômica, em 2014. O comércio fechou o ano passado com saldo positivo de postos de trabalho, com 10.386 postos de trabalho com carteira assinada, uma variação de 1,63% em relação a 2017.
Em 15 das 27 unidades da Federação foram registradas mais aberturas do que fechamentos de estabelecimentos comerciais, destacando-se de forma positiva os Estados de São Paulo (+3.883), Santa Catarina (+1.706) e Minas Gerais +940), Mato Grosso (+785) e o Paraná, em quinto lugar, com 762 novas lojas.
Para 2019, a CNC projeta crescimento de 5,8% no volume de vendas do varejo brasileiro. A expectativa da entidade é de que, ao fim deste ano, aproximadamente 23,3 mil novos estabelecimentos com vínculos empregatícios sejam abertos no setor. Confirmada essa expectativa, o ano de 2019 apresentará, portanto, o maior saldo de abertura de lojas desde 2013.
O Sincoval (Sindicato do Comércio Varejista de Londrina) está iniciando um trabalho de monitoramento do comportamento de abertura e fechamento de lojas. "Estamos iniciando este trabalho com o cadastro da Prefeitura, mas a nossa percepção é que houve uma grande rotatividade, a maioria eram lojas de shopping", comentou Ovhanes Gava, presidente do Sincoval.

MEIs
O número de novas empresas cresceu 14% em 2018 contra o ano anterior, mas o desempenho do quarto trimestre foi negativo, com queda de 13,6% em relação ao trimestre anterior. Os MEIs (Microempreendedor individual) encolheram 13,3%. A participação dessas empresas na composição do resultado de 2018 também foi um pouco menor, 74% contra 77,3% registrado em 2017.
Em Londrina, o quarto trimestre foi positivo, com alta de 4,72% em relação ao trimestre anterior. O município fechou 2018 com 23.087 MEIs, um acréscimo de 4,72% em comparação com o ano anterior. Um crescimento menor do que de 2016 para 2017 (19,25%). De acordo com consultor do Sebrae, André Azevedo, a desaceleração do crescimento pode ser reflexo da ação da Receita Federal que cancelou os CNPJs inadimplentes e que não apresentaram a Declaração Anual do MEI.
"Pela primeira vez a Receita cancelou os CNPJs em débito. Em Londrina foram mais de 4 mil CNPJs. Se não fosse isso, talvez o percentual de crescimento teria sido significativo, pois o volume de formalização não teve uma diminuição significativa", afirmou Azevedo.
A pesquisa da Boa Vista mostra, ainda, que o setor de Serviços atingiu 58,7% de representatividade no ano de 2018, estando maior que os 55,8% observados no mesmo período 2017. O Comércio teve queda na participação, chegando a 32,9% em 2018. Assim como o setor industrial, que passou de 7,9% para 7,4% dos casos no período.
Na análise acumulada do ano, todas as regiões registraram aumento das aberturas em 2018. As regiões Sul (14,9%) e Sudeste (15,6%) foram as que registraram maior crescimento.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo