Paulo Pegoraro
De Cascavel
A Prefeitura de Cascavel anunciou ontem a assinatura de protocolo de intenções com a empresa Cotecnia, que representa um grupo empresarial da China, para investimento de R$ 125 milhões em projetos agrícola, piscícola e industriais, nas áreas de cotonicultura, fruticultura, criação de peixe em água doce, confecções, tênis, doces enlatados e botijões de gás. Será o maior investimento de um grupo empresarial em toda a história de Cascavel, e o protocolo deverá ser firmado na próxima semana.
O anúncio foi feito pelo prefeito em exercício, Eduardo Marassi (PFL), para quem os chineses ‘‘abrirão novo ciclo na economia regional, pois outros grupos internacionais certamente serão atraídos’’. A negociação ocorreu ao longo de sete meses, principalmente em Assunção, capital do Paraguai, onde o grupo chinês já atua. Segundo Marassi, o presidente da Cotecnia, Peter Lyu, confirmou no final de janeiro os investimentos, e ele estará na cidade para assinar o protocolo – com respaldo do governo do Estado.
A Cotecnia implantará suas quatro fábricas no novo Parque Industrial de Cascavel, à margem da BR-277 (próximo ao terminal da Ferropar), em área de 180 mil metros quadrados doada pela prefeitura. Além disto, adquirirá 15 mil hectares para a produção de algodão, que transformará em tecidos e confecções, 5 mil hectares para frutas que processará, e uma área menor para a produção de peixes. Enquanto não for possível garantir toda a matéria-prima em Cascavel, as indústrias serão abastecidas com importações.
Os chineses querem exportar 75% do que produzirem, inclusive para a própria China, um grande mercado com necessidade de oferta crescente principalmente na área de alimentos. Entre as motivações para os investimentos em Cascavel, Peter Lyu teria destacado a existência do Parque Tecnológico Agroindustrial, que gera e dissemina tecnologias para empresas, a Escola Vocacional Agropecuária, que qualifica mão-de-obra, e a facilidade de transporte, com o terminal da Ferropar e a BR-277, para exportações via Paranaguá.
Macri Alex Fontana, presidente da Socma Alimentos, controladora do grupo argentino Macri no Brasil, estará em Cascavel hoje à noite, para falar a empresários sobre investimentos na cidade, no frigorífico de frangos adquirido do grupo catarinense Chapecó. A Socma assumirá a unidade em março, e deve ampliar a capacidade de abate de 60 para 150 mil cabeças ao dia, chegando a um faturamento anual de R$ 100 milhões. Atualmente, o frigorífico é operado por um consórcio entre as empresas Chapecó, Sadia e Globoaves.