Guto Rocha
De Londrina
Bancos e clientes passaram para o ano 2000 sem problemas com o chamado ‘‘bug do milênio’’. Ontem em Londrina, o movimento nas agências bancárias foi considerado normal, sem a esperada correria de clientes em busca de extratos para conferir o saldo do novo ano.
O representante comercial, Francisco Marques da Cruz, que ontem retirava um extrato na agência centro do Bradesco, afirmou que a operação era rotineira. ‘‘Todas as segundas-feiras pego extrato. Não temia ao bug, mesmo porque se houvesse algum problema a responsabilidade seria do banco’’, afirmou, observando que o bug até seria ‘‘bem-vindo’’ se liquidasse seus débitos.
Outro correntista que também não deu importância ao bug foi o economista Reinaldo Soares. ‘‘Meu extrato não apresentou problema, e o que tenho na conta é tão pouco que não me preveni’’, comentou. Segundo a gerente o Banespa em Londrina, Sandra Cristina Giancursi, o banco fez plantão nos três dias de feriado bancário para monitorar o sistema. ‘‘Mas já estávamos preparados desde 98, quando o Banco Central havia determinado o enquadramento dos bancos ao sistema de segurança até o final daquele ano’’, disse. Mas apesar da campanha feita junto aos clientes, Sandra disse que somente na quinta-feira a procura por extratos foi maior do que nos dias normais.
O representante de laboratório, Saul Botelho, procurou se prevenir retirando um extrato na quinta-feira. Ontem, ao conferir o saldo novamente, afirmou que não teve problemas. ‘‘Tudo igual ao do ano passado. Mas eu preferi me prevenir’’, afirmou. Segundo o coordenador do Projeto Itaú 2000, Ênio Neves, o banco vinha se adequando e aplicando testes desde 95. O banco também fez plantão no final de semana. ‘‘Apesar de não termos registrado nenhum problema no sistema, continuaremos monitorando todos os processos’’, afirmou Neves.