O número de contratos para financiamentos de projetos agropecuários que visam à redução da emissão de gases que colaboram para o aumento do efeito estufa no planeta registrou queda no Paraná. Segundo dados do Ministério da Agricultura, de julho de 2013 a abril de 2014 foram registrados no Estado 631 contratos com R$ 102 milhões em recursos liberados. Entre julho de 2012 e abril de 2013 foram fechados 770 contratos, a um total de R$ 168 milhões em recursos liberados.
O objetivo desses contratos é financiar sistemas de produção que minimizem os impactos do setor agropecuário ao meio ambiente, a exemplo do sistema de integração lavoura, pecuária e floresta. Caio Rocha, secretário de desenvolvimento agropecuário e cooperativismo do Ministério da Agricultura, explica que no Paraná os grandes investimentos já foram realizados e que agora o Plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) tem financiado mais os pequenos agricultores.
Ainda, aponta o secretário, os valores dos contratos foram menores no último levantamento. "O Paraná tem poucas áreas para recuperação de pastos degradados, diferente de outras regiões que necessitam de mais recursos", salienta Rocha. O Plano ABC, garante o dirigente, também continua trabalhando no processo de capacitação de técnicos e produtores mesmo que não necessitem de muitos recursos.
Renato Viana Gonçalves, secretário do grupo gestor do ABC no Paraná, afirma que o Estado tem intensificado o processo de capacitação dos produtores por meio de entidades de pesquisas e extensão que prestam apoio aos agricultores. A capacitação, avalia o especialista, é um dos métodos mais eficientes para incentivar o uso de técnicas que reduzem as emissões de gases nocivos à natureza.
Segundo Gonçalves, desde 2011, ano de implantação do Plano ABC, até maio de 2014 o Estado capacitou cerca de 10 mil produtores e técnicos agropecuários, volume que representa 50% do total de pessoas treinadas em todo o País no mesmo período.
"O Paraná tem se diferenciado no atendimento ao produtor", observa o representante paranaense. Além disso, completa o secretário, em parte, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) também tem ajudado no fortalecimento de recursos para fomento de uma agricultura mais sustentável, principalmente para pequenos produtores.

Brasil
De acordo com dados do Ministério da Agricultura, somente na safra 2013/14 foram realizados 9.027 contratos do Plano ABC que resultaram na aplicação de R$ 2,8 bilhões em recursos investidos. O Sudeste liderou o ranking com 3.500 contratos, seguida pelas regiões Centro-Oeste (2.300), Sul (1.600), Norte (1.239) e Nordeste (650).
Segundo dados do governo, desde a safra 2010/11 foram investidos no sistema de agricultura de baixo carbono R$ 7,5 bilhões. Para a safra 2014/15 estarão disponíveis para os produtores de todo o Brasil um total de R$ 4,5 bilhões. Aumentar a produção agropecuária em bases sustentáveis, reduzir o desmatamento, aumentar as áreas de florestas plantadas e estimular a recuperação de áreas degradadas são alvos dos recursos disponíveis pelo Plano ABC.

Imagem ilustrativa da imagem Contratos de adesão ao Plano ABC reduzem no Paraná