|
  • Bitcoin 122.108
  • Dólar 5,0643
  • Euro 5,2241
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 27/07/2022, 17:41

Compra do Makro pode colocar Muffato na 5ª posição no país

Transação de R$ 2 bi marcaria ingresso do grupo paranaense na capital paulista; mercado dá negócio como certo, mas partes não confirmam

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 27 de julho de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Uma transação dada como certa no mercado deverá levar o Grupo Muffato da sexta para a quinta posição no ranking geral de varejo no Brasil. A rede paranaense, fundada em 1974, estaria negociando a compra de 24 lojas da rede Makro, além da sede, do centro de distribuição, localizado no município de Cajamar, na Região Metropolitana de São Paulo, e mais 16 postos de combustível. Se concretizada, a negociação no valor de R$ 2 bilhões marcaria a entrada do Grupo Muffato na capital paulista e o início da concorrência com outros grandes grupos não só de atacarejo como também do setor supermercadista. 

Imagem ilustrativa da imagem Compra do Makro pode colocar Muffato na 5ª posição no país Imagem ilustrativa da imagem Compra do Makro pode colocar Muffato na 5ª posição no país
|  Foto: Lucas Lacaz Ruiz/Folhapress
  

O Santander detém o mandato de venda do Makro, mas nenhum dos envolvidos confirma a compra ou a venda. O Muffato trata a negociação como “especulação de mercado”, embora analistas do setor deem como certa a transação que, segundo eles, deve ser concluída em agosto.  

Segundo matéria recente veiculada pelo jornal Valor Econômico, os representantes do Makro avaliaram os ativos em cerca de R$ 3 bilhões, mas litígios judiciais e a identificação, pelo Grupo Muffato, de sobreposição de algumas lojas da rede com o Makro em São Paulo, teriam reduzido o valor para R$ 2 bilhões.  

Pertencente ao grupo holandês SHV, a rede Makro instalou-se no Brasil há 50 anos e se a negociações com o Grupo Muffato for concretizada, representará a saída definitiva da empresa do país, que passaria a concentrar suas atividades em outros três países da América do Sul: Argentina, Colômbia e Venezuela. Parte de seus ativos, com 28 lojas, foi vendida ao Carrefour em 2020 por R$ 1,95 bilhão.  

Para o Grupo Muffato, a negociação marcaria a entrada na cidade de São Paulo, com lojas na Lapa, Interlagos, Butantã e Vila Maria, essas duas últimas, consideradas excelentes pontos de venda. Atualmente, o grupo paranaense mantém 82 unidades no país, sendo 80% delas na Região Sul. O restante está instalado no interior paulista, com sete unidades da bandeira Max Atacadista e nove do Super Muffato. Em 2021, o grupo faturou R$ 10,5 bilhões, com alta de 17% sobre 2020, crescimento acima da média do setor. 

Em 2021, as lojas do Makro tiveram um faturamento bruto de cerca de R$ 3 bilhões, segundo estimativas do mercado, mas a rede, que demorou a entrar no mercado de atacarejo, enfrentava dificuldades para driblar a concorrência, liderada pelas marcas Assaí e Atacadão.    

Caso o Muffato venha a fechar a compra, imediatamente saltará da sexta para a quita colocação no ranking nacional e deixará para trás o grupo mineiro Supermercados BH, com 245 lojas na capital e interior de Minas Gerais, e entrará na disputa por posição com o Grupo Mateus, com 221 lojas em sete estados nordestinos. O ranking, publicado pela Abras (Associação Brasileira de Supermercados), considera o faturamento das redes em 2021. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.