Curitiba - No mês anterior ao início da Copa do Mundo, o comércio varejista no Brasil voltou a crescer e registrou alta de 0,5% em relação a abril. O mercado apostava em estabilidade na comparação de maio com abril. Em março, o comércio recuou 0,4% e, em abril, as vendas também caíram 0,4%. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e fazem parte da Pesquisa Mensal de Comércio.
Na comparação com maio de 2013, as vendas do varejo subiram 4,8% no País. Com esse resultado, o setor acumula uma alta de 5% de janeiro a maio. No Paraná, houve uma expansão de 5,1% em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado e, a alta acumulada no ano, é de 4,9%.
No acumulado em 12 meses encerrados em maio, o comércio do País cresceu 4,9% e o do Paraná 6,9%. Para o presidente da Federação do Comércio do Paraná (Fecomércio-PR), Darci Piana, o que pode ter motivado o aumento de vendas em maio foi o Dia das Mães.
Este resultado de crescimento de 5,1% de maio do Paraná considera oito setores. Já quando é analisado o comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos e material de construção, o comércio apresenta uma queda de 2,3%, índice até maior que a redução de 0,68% que foi captada pela pesquisa de varejo da Fecomércio-PR.
Em maio, os setores que ainda sustentaram o comércio no Paraná foram principalmente tecidos, vestuário e calçados com crescimento de 10% e artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria com expansão de 9,1%. Para o assessor econômico da Associação Comercial do Paraná (ACP), Cláudio Shimoyama, esses setores foram os que mais venderam para a data do Dia das Mães.
Por outro lado, veículos e material de construção amargaram queda de vendas de 11,6% e 3,6%, respectivamente, o que também ajudou a puxar o índice do comércio varejista ampliado para baixo. O setor de veículos vem sofrendo com redução de vendas há alguns meses, o que obrigou algumas montadoras a concederem férias coletivas para os funcionários.
Segundo Shimoyama, o comércio vem sendo afetado pelo aumento da inadimplência, dos juros e também com o crédito mais "enxuto". Piana disse que o alto grau de endividamento também vem prejudicando o comércio.
O assessor da ACP lembrou que na pesquisa da entidade que ele representa, as vendas do comércio caíram 14% em junho em função da Copa do Mundo, que levou o comércio a encerrar o expediente antecipadamente nos dias de jogos do Brasil. Nem o Dia dos Namorados ajudou o setor, já que a data ocorreu justamente no dia da abertura da Copa em São Paulo.
A previsão de Shimoyama é que as vendas cresçam 5% em julho em Curitiba, já que em junho o resultado foi muito ruim. "Junho foi um mês atípico com a Copa", disse Piana.
O presidente da Fecomércio, Darci Piana, lembrou ainda que, no início do ano, a expectativa era de um crescimento de 6,5% para as vendas do comércio de 2014 no Paraná. Em abril, esta expectativa já foi revisada para 5,5%. No ano passado, o setor fechou com crescimento de 7,8% nas vendas.

No País
Oito das dez atividades que integram a Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada ontem registraram aumento no volume de vendas em maio em relação a abril no País. No varejo restrito, houve expansão em todas as atividades o que explica a alta de 0,5% nas vendas em maio ante abril. Entre os resultados positivos Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (2,4%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,4%); Livros, jornais, revistas e papelaria (1,9%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,2%) e Tecidos, vestuário e calçados (0,5%). (Com agências)

Imagem ilustrativa da imagem Comércio apresenta crescimento em maio no País