A reunião dos 20 países mais importantes para a estabilidade mundial, o G-20, que começa hoje, poderá ser ofuscada pelas manifestações antiglobalização. A polícia canadense estava ontem de prontidão para evitar que os protestos que aconteceram em Praga, na reunião do FMI (Fundo Monetário Internacional), e em Seattle, na cúpula da OMC (Organização Mundial do Comércio), se repitam em Montreal.
Um dia antes de começar o G-20, os manifestantes já se reuniam em frente ao hotel Sheraton Centre, local do encontro. Até as 19 h (horário de Brasília), não havia acontecido nenhum incidente violento. Os jovens – ao som de músicas de rock, com cabelos roxo, laranja, penteados exóticos e piercings – criticavam pacificamente o comércio livre e a globalização.
‘‘Os ricos decidiram que não vão repartir sua riqueza. Nosso trabalho é conseguir melhores condições de vida, que estão piores que antes’’, dizia um panfleto. Segundo o porta-voz da Polícia Montada Canadense (equivalente à Polícia Federal brasileira), Leo Montbaurquette, não são esperados embates violentos como os que ocorreram em Praga e Seattle. ‘‘Os protestos deverão ser democráticos, mas temos autorização para tomar as medidas necessárias, caso as leis não sejam respeitadas.’’