|
  • Bitcoin 123.400
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2078
Londrina

Economia

m de leitura Atualizado em 30/06/2022, 07:33

Com 911 vagas de emprego em maio, Londrina entra fase de recuperação

No acumulado do ano, município soma 2.602 postos de trabalho, muito perto dos números de 2021, quando a cidade registrou recorde de vagas

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 29 de junho de 2022

Simoni Saris - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Gustavo Carneiro
menu flutuante

Londrina registrou mais um mês com saldo positivo na geração de empregos e teve o melhor resultado do ano até agora. Em maio de 2022, o município gerou 911 postos de trabalho com carteira assinada e acumula, nos primeiros cinco meses, 2.602 novas vagas. Os números são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados nesta semana pelo Ministério do Trabalho e Emprego. No mês passado, o município registrou o melhor resultado neste ano, ficando na segunda colocação no saldo de empregos no Paraná, atrás apenas de Curitiba, que lidera a geração de vagas com saldo positivo de 3.663 empregos formais. 

Os números do Caged mostram resultados positivos também nos cinco principais municípios da RML (Região Metropolitana de Londrina). Considerando o saldo das demissões e admissões no período, Londrina, Cambé, Ibiporã, Rolândia e Arapongas somaram 1.272 novos postos de trabalho no mês passado. Entre as cinco cidades, apenas Ibiporã teve mais demissões do que contratações, ficando com saldo negativo de 40 vagas. 

Embora Londrina tenha registrado o melhor resultado em números absolutos, com 911 vagas criadas, em números relativos o destaque ficou com Rolândia, que teve uma elevação de 0,65% no estoque de empregos em relação a abril. Na RML, o setor de serviços também teve o melhor desempenho, com 642 postos gerados, seguido da indústria, com 488 vagas, e construção civil, com saldo positivo de 136 empregos. Apenas a agropecuária fechou mais vagas do que abriu, ficando com saldo negativo de 73 postos, segundo apontou o Acompanhamento e Análise Mensal do Mercado de Trabalho, estudo realizado pelo NuPEA (Núcleo de Pesquisas Econômicas Aplicadas) do campus Londrina da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná). 

Coordenador do NuPEA, o economista Marcos Rambalducci avalia que os dados do Caged mostram que Londrina apresenta um saldo no emprego formal significativamente mais elevado do que era possível prever no início do ano. “Este resultado, além de consolidar uma retomada na geração de empregos, mostra bastante robustez na medida que se aproxima muito do resultado alcançado em 2021 para o mesmo período”, analisou. Nos primeiros cinco meses de 2021, o acumulado de postos de trabalho com carteira assinada no município foi de 2.769 contra 2.602 no mesmo período de 2022. “Lembrando que o ano passado foi recorde absoluto neste indicador”, observou o economista. 

Rambalducci destacou que o setor de serviços, o setor que historicamente mais emprega em Londrina, foi o responsável por 63% do saldo de vagas em maio. Mas ele chamou a atenção para outros setores de maior relevância para a economia do município, que seguem mantendo saldos positivos, como a construção civil e a indústria. O setor de serviços fechou maio com saldo positivo de 575 vagas, enquanto a construção civil gerou 190 postos de trabalho e a indústria, 128. 

“Mais interessante ainda é que a pesquisa do Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), realizada em parceria com o Sindimetal e UTFPR, apontou que em junho (de 2022) houve aumento neste indicador, sendo uma sinalização forte de que teremos também resultados positivos no relatório referente a junho”, destacou o economista.  

O coordenador do NuPEA acredita que os dados do Caged confirmam que a economia londrinense entrou em fase de recuperação do emprego formal. Um dos indicadores dessa boa fase são os números do setor de serviços, o que mais sofreu durante a pandemia, com hotéis desocupados, restaurantes e bares fechando as portas e baixíssima procura por eventos. “(O setor) Começa a ganhar fôlego e recuperar os postos de trabalho perdidos. Mas, embora em números absolutos seja o que tem produzido mais postos de trabalho, chama a atenção os demais setores que já alcançaram seus números pré-pandemia estarem ainda criando postos de trabalho, o que mostra consistência na recuperação da economia local”, reforçou Rambalducci. 

Um desses setores é a construção civil, que tem demonstrado um forte dinamismo na cidade, desengavetando projetos que ficaram parados à espera de um ambiente mais favorável.

Em entrevista ao N.Com, o secretário municipal do Trabalho, Emprego e Renda, Gustavo Santos, destacou os resultados que o município vem registrando mês a mês na geração de vagas de trabalho. “De janeiro de 2021 para cá, apenas em dois meses não registramos saldo positivo. São 15 meses de crescimento do mercado formal que registraram mais de 10,5 mil em saldo de criação de postos de trabalho. Não são apenas números, são londrinenses que estão tendo condições de levar para as suas famílias uma melhor qualidade de vida”. 

PARANÁ 

O Paraná encerrou o mês de maio com um saldo positivo de 13.894 vagas de trabalho, conquistando a sexta colocação entre os estados que mais empregaram no mês passado. No acumulado do ano, o Estado soma 75.990 vagas com carteira assinada, o melhor desempenho entre os três estados da Região Sul do país.   

Dos 399 municípios paranaenses, 264 fecharam maio com saldo positivo na abertura de vagas, o que corresponde a 66% do total. Em 13 cidades, o número de contratações e de demissões foi o mesmo, com um saldo igual a zero, e nos outros 122 municípios (30,5%), o saldo ficou negativo no período. 

BRASIL  

No País, o Caged revelou que no mês passado, foram contabilizados 277 mil novos postos de trabalho e, no período de janeiro a maio de 2022, o saldo é de 1.051.503 vagas formais. No acumulado de 12 meses, foram criados 2.655.840 postos.