ESTRATÉGIA Centralpar é arrendada pelo laticínio Frimesa Empresa irá atingir escala de produção que garantirá condições para competir com multinacionais Arquivo FolhaREVITALIZAÇÃOInstalações da Centralpar será reativada após passar por crise financeira a partir de 1997 Vânia Casado De Curitiba A Frimesa, empresa que industrializa os produtos da Sudcoop – Central Cooperativa de Medianeira, no Oeste do Paraná – arrendou as instalações da Centralpar, na Cidade Industrial de Curitiba. O contrato está em vigor desde 1º de fevereiro e vai manter a distribuição de produtos das marcas Clac e Cancela, industrializadas pela Centralpar. A central é controlada pelas cooperativas Clac e Witmarsum, que atuam na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e região Sul do Estado. Agora, está sendo incorporada a industrialização e distribuição dos produtos da marca Frimesa. Com o arrendamento, a Frimesa é a primeira empresa paranaense de produtos lácteos do Paraná, processar 550 mil litros de leite/dia. Antes a Frimesa processava 350 mil litros de leite por dia, que eram captados na região Oeste do Paraná de cinco cooperativas singulares que entregam a produção na Sudcoop. Com 150 mil litros de leite captados pela Clac e Witmarsum e mais 50 mil litros que a Frimesa está industrializando de cooperativas menores, a empresa está atingindo escala de produção para enfrentar a concorrência de grandes empresas multinacionais que estão se instalando no Estado. A Centralpar vinha passando por dificuldades econômicas desde que a Clac e a Witmarsum se uniram para formar a indústria. Foram investimentos elevados num momento em que o volume de leite recebido pelas cooperativas começou a cair em função da crise do setor leiteiro, provocada pela concorrência do produto importado. Entre 1997 e 1998, o volume de leite caiu para 70 mil litros de leite, quando a situação financeira da empresa se agravou e recorreu ao Fundo de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado, que chegou a emprestar R$ 1 milhão para a indústria. Depois disso as cooperativas Clac e Witmarsum apostavam no Recooop - Programa de Recuperação das Cooperativas para viabilizar a indústria e colocar em dia os pagamentos aos produtores. Mas o Recoop demorou muito e a solução encontrada foi o contrato de arrendamento. Apesar disso, a industrialização de leite ainda está abaixo da capacidade instalada. Entre as instalações da Sudcoop, no Oeste do Estado, e as instalações da Centralpar, em Curitiba, a capacidade instalada soma 850 mil litros de leite por dia. Atualmente a Frimesa está industrizando 400 mil litros por dia. ‘‘Mas a meta é industrializar 800 mil litros/dia até o final de 2001’’, afirmou Elias Zydek, diretor executivo da Frimesa. A expectativa é que a produção de leite na RMC se restabeleça com a volta do pagamento em dia aos produtores. A tendência é recompor a produção em 30% a 40%, informou um diretor da Clac. Segundo Zydek, o arrendamento da Centralpar faz parte da estratégia da Frimesa em aumentar a escala de produção para enfrentar a competição de mercado. A vantagem da união das estruturas operacionais é a otimização das linhas de produção e redução de custos com a logística de distribuição. O arrendamento da Centralpar abre espaço para a Frimesa fortalecer sua atuação na área de lácteos, que atualmente participa com 45% do faturamento da empresa, que alcançou R$ 200 milhões no ano passado. Na RMC, segundo Zydek, a Frimesa tem 50% da fatia de mercado de leite pasteurizado. A empresa também atua na industrialização de carne suína. A previsão é de que o faturamento este ano atinja R$ 250 milhões, com os lácteos representando 58% do total.