PRODUTOS INDIVIDUAIS Carrefour terá que adotar etiquetas Cláudia Lopes De Londrina O Carrefour de Londrina tem prazo até o próximo dia 20 para afixar etiquetas de preços em todos os produtos individualmente, baseado numa decisão concedida no último dia 10 pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), de Brasília. O hipermercado foi notificado pelo Procon de Londrina há cerca de dez dias. O Carrefour e o Bom Preço, do Rio de Janeiro, recorreram da decisão anterior do STJ, que em outubro do ano passado definiu que a fixação dos preços era um dever dos supermercados, pois ‘‘há obrigação do comerciante de bem informar, com precisão, clareza e de forma ostensiva, o preço do produto’’. Com a confirmação da decisão, os supermercados são obrigados a afixar etiquetas de preços nos produtos, independente da existência do sistema de código de barras. Caso o Carrefour não cumpra a determinação, poderá arcar com uma multa diária de R$ 10 mil, segundo o Procon. O diretor da loja de Londrina, Edgar Marchiori, disse que está aguardando a decisão da matriz da rede e o pronunciamento da ABRAS (Associação Brasileira de Supermercados). ‘‘Mas o Carrefour sempre cumpriu a lei. Neste caso, precisaríamos de mais tempo para nos adequar’’, afirmou. ‘‘Não existem mais máquinas etiquetadoras para comprar porque as fábricas fecharam. Também precisamos de tempo para treinar e contratar pessoal’’. Marchiori calcula serem necessários 50 pessoas para trabalhar na etiquetação dos 35 mil itens da loja. Destas, cerca de 25 pessoas teriam que ser contratadas. A empresa opera com código de barras há mais de três anos.