|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

MERCADO DE TRABALHO 5m de leitura Atualizado em 03/12/2021, 08:35

Caged registra aumento de 1.362 postos de trabalho na região

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 02 de dezembro de 2021

Vitor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) registrou um aumento de 1.362 postos de trabalho na Região Metropolitana de Londrina. Os dados foram divulgados na terça-feira (30) pelo Ministério do Trabalho. A região já apresentava entre janeiro a setembro uma evolução de 14.118 empregos com carteira assinada.

O Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) registrou um aumento de 1.362 postos de trabalho na Região Metropolitana de Londrina.
O Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) registrou um aumento de 1.362 postos de trabalho na Região Metropolitana de Londrina. |  Foto: Emerson Dias/N.Com
 

Das cinco cidades consideradas somente Ibiporã registrou números negativos na geração de empregos com carteira assinada, com menos 52 postos de trabalho. A maior queda foi no setor agropecuário, com a redução de 87 postos de trabalho. O destaque positivo em números absolutos foi Londrina com saldo de 959 postos de trabalho formal, puxado pela criação de 385 postos no setor de serviços e 301 no setor do comércio. A indústria criou 140 postos de trabalho e a construção gerou 124 postos de trabalho. O setor agropecuário permaneceu praticamente estável com a geração de nove empregos na área. Em números relativos, a cidade que mais gerou empregos foi Cambé com uma elevação de 0,97% em relação ao mês anterior, contra 0,63% registrados em Londrina e Rolândia, 0,25% em Arapongas e -0,42% em Ibiporã. "Somente em Cambé, ao longo do ano, teve uma evolução de 11,37% de postos de trabalho", destacou  o professor Marcos Rambalducci, da UTFPR-Londrina.

Segundo Rambalducci, o País está passando por um processo de recuperação econômica e na Região Metropolitana de Londrina isso fica muito acentuado. "A gente vê que tem a presença maior de indústrias nessas cidades vizinhas, do entorno de Londrina", destacou. Cambé, por exemplo, vêm seguidamente batendo recordes de geração de emprego. "Londrina também vem em um processo de recuperação, também calcado na indústria, embora a indústria represente alguma coisa em torno de 15% do seu PIB." 

Considerando todas as cinco cidades, o setor que se destacou em relação a geração de empregos formais foi o de Serviços com 594 postos, seguido do comércio, com 425 postos, e a indústria, com saldo positivo de 297 postos. O destaque negativo para o mês de outubro foi o setor de agropecuária, com saldo negativo de 81 postos de trabalho formal em decorrência de desligamentos. Somente em Ibiporã houve 87 desligamentos de funcionários. "Isso é um efeito muito sazonal. Nós temos duas grandes cooperativas em Ibiporã", destacou. 

Em relação a Londrina, a cidade está com um saldo positivo na geração de empregos de 8.145 em 2021. Somando todos os setores da economia, o mês de outubro teve 7.025 admissões e 6.066 desligamentos. Se for levado em conta o saldo do acumulado do ano, Londrina apresentou uma variação relativa positiva de 5,63% ao longo de 2021. Em outubro, todos os setores da economia tiveram evolução no emprego formal, com serviços puxando a fila com 3.406 contratações e 385 de saldo positivo.

De acordo com Rambalducci, para novembro e dezembro já está dado um crescimento no setor de comércio e serviços. "A pergunta é se indústria vai continuar gerando postos de trabalho no mês de novembro e dezembro. A resposta é não. Com a mesma dinâmica nós vamos perceber a indústria trazendo números muito mais apáticos por duas situações. É neste momento que a indústria entra no seu recesso de férias e no mês de janeiro, em função de já ter cumprido o seu papel e atendido a demanda, e no início do ano começa  uma demanda menor por produtos industrializados o que faz as empresas realizarem  os desligamentos", apontou.

O presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Bruno Ubiratan, reforçou esse otimismo. “Estamos vivendo um momento diferente e, este fim de ano especificamente, nos dá ainda mais motivos para estarmos com boas expectativas.” Ele reforçou que a Prefeitura investiu aproximadamente R$ 1,7 milhão para realizar o Natal e esse investimento gira toda a economia. “Com certeza, impactará de forma significante na geração de trabalho, emprego e renda para a nossa população e, consequentemente, refletirá na continuidade desse ótimo desempenho que a cidade vem tendo”, pontuou.

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM