O presidente do Banco Central, Armínio Fraga, lançou ontem duas moedas comemorativas dos 500 anos do Descobrimento do Brasil, dirigidas principalmente para colecionadores. Uma é de prata, tem 40 milímetros de diâmetro, pesa 28 gramas e custa R$ 42,00 (com valor de face de R$ 5,00). A outra moeda é de ouro, tem 22 milímetro de diâmetro, pesa 8 gramas e custa R$ 220,00 (valor de face de R$ 20,00). O conjunto das duas juntas custa R$ 254 e quem comprar as moedas levará também uma caixa de madeira, de cedro, para conservá-las.
O BC considera também o valor de face porque como são moedas, parte do meio circulante brasileiro, esse é quanto valeriam se fossem utilizadas para pagar alguma compra. A Casa da Moeda do Brasil cunhou cem mil exemplares de prata e dez mil de ouro, que estão sendo vendidas para colecionadores.
Fraga ressaltou, durante a solenidade realizada no Museu Histórico Nacional, que a Casa da Moeda ‘‘tem feito um excelente trabalho em tempos de restrição orçamentária’’. O material utilizado na confecção das moedas (ouro e prata) já estava estocado na Casa da Moeda, o que garantiu uma redução no custo de cerca de 30%, segundo o diretor do Departamento de Meio Circulante do BC, José Barbosa.
As novas moedas poderão ser compradas nas Delegacias Regionais do Banco Central em vários Estados (a lista pode ser consultada nos sites www.bcb.gov.br ou no www.casa da moeda.com.br) e através dos Correios. O chefe do Departamento de Meio Circulante do BC disse que o acordo com os Correios será fechado nos próximos dias.
José Barbosa, revelou que está sendo preparado o lançamento da nova nota de R$ 20,00. O projeto está sendo discutido por técnicos do BC e da Casa da Moeda. ‘‘O lançamento deverá ser feito em julho do ano que vem. A nova nota será de papel moeda e não de plástico’’, explicou Barbosa.
O presidente da Casa da Moeda, Fernando Malburg, anunciou, que para o próximo Natal, haverá uma nova oferta das notas de plástico de R$ 10,00. ‘‘Vamos entregar ao Banco Central 15 milhões dessas notas, ainda em outubro; 40 milhões em novembro e mais 40 milhões em dezembro’’, adiantou Malburg. Hoje existem em circulação no País 30 milhões de cédulas de plástico com valor de R$ 10,00.