Genebra O Brasil ganhou um inimigo de peso na disputa que está sendo levada à Organização Mundial do Comércio (OMC) contra os subsídios dos Estados Unidos aos seus produtores de algodão: os bancos norte-americanos. Uma fonte da Casa Branca revelou à Agência Estado que, desde o mês passado, representantes de instituições financeiras vêm pressionando o governo dos Estados Unidos para que não ceda na disputa contra o Brasil.
Os produtores nacionais argumentam que, ao dar subsídios aos seus agricultores, os Estados Unidos impedem que o produto brasileiro possa concorrer com o algodão norte-americano no mercado mundial. Além disso, os subsídios afetam de forma negativa os preços internacionais do produto, prejudicando a renda das exportações brasileiras.
Na semana passada, o Brasil levou o caso à OMC, mas os Estados Unidos impediram a formação de um comitê de arbitragem para julgar o caso. O Itamaraty, porém, já avisou que reapresentará o caso no dia 18 de março, em Genebra.
O problema, porém, é que não são apenas os agricultores que dependem dos subsídios de Washington para conseguir produzir e exportar. Os bancos, principalmente os das áreas rurais, fizeram seus empréstimos aos fazendeiros do setor de algodão já pensando no subsídio que é dado ao agricultor e que, no fundo, o permite pagar suas dívidas com o banco.
Caso a OMC condene a ajuda da Casa Branca, o temor dos banqueiros é de que os agricultores simplesmente não paguem suas dívidas com as instituições financeiras, que poderiam quebrar em pouco tempo.