Os participantes da Audiência Pública sobre a privatizaçao do Banestado realizada ontem à noite na Câmara Municipal de Londrina vão enviar ao governo e à presidência do banco algumas propostas para tentar reverter o atual quadro. Uma das propostas que estava sendo discutida na audiência era abertura de uma CPI na Assembléia Legislativa para apurar as denúncias de corrupção no banco.
O ex-diretor do Banestado, Walter Senhorinho, afirmou que a metodologia aplicada para se calcular o preço mínimo do banco é desconhecida. ‘‘É um absurdo que os R$ 1,6 bilhão referentes a créditos tributários não tenham sido considerados na formação do preço mínimo.’’
O economista técnico do Dieese de Curitiba, Daniel Passos, afirmou que seria leviano avaliar o preço mínimo sem conhecer a metodologia utilizada para calcular o valor. ‘‘É importante ampliar o debate sobre como se chegou a este preço mínimo. O que nos surpreendeu é que este valor esteja abaixo do patrimônio líquido do banco’’, comentou.(Benê Bianchi)