MERCOSUL Argentina suspende barreira ao frango Restrição ao produto brasileiro começaria vigorar ontem. Governo dos dois países vão elaborar protocolo para regular o comércio da ave Arquivo FolhaLIBERADO Com a decisão, as exportações de frango continuarão ocorrendo normalmente Eduardo Magossi De São Paulo As barreiras sanitárias que seriam impostas à carne de frango brasileira, pela Argentina, a partir de ontem, foram suspensas por um tempo indeterminado. A informação é do diretor executivo da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango (Abef), Cláudio Martins. O diretor participou, na quinta-feira, de reunião com o ministro da Agricultura, Pratini de Moraes. Martins disse que, com esta decisão, as exportações brasileiras de carne de frango continuarão ocorrendo normalmente. Segundo ele, o ministro Pratini afirmou que fez um acordo com o secretário de Agricultura argentino, Antonio Berhongaray, para que, durante o mês de março, seja formalizado um protocolo sanitário entre os dois países com o objetivo de solucionar os problemas com a exportação de frango brasileiro. Em março, técnicos argentinos virão ao Brasil para realizar uma auditoria nos instrumentos de controle sanitário do governo. ‘‘Os técnicos virão ao Brasil e irão analisar as normas de sanidade praticadas pelo governo, que são excelentes. Acredito que ainda em março um acordo seja fechado e esta questão seja encerrada’’, disse Martins. Depois de acusar o Brasil de praticar ‘‘dumping’’ com suas exportações de carne de frango para a Argentina, o setor de aves argentino conseguiu, na Justiça, impor um sistema de cotas, que limitou de forma expressiva as vendas de frango brasileiro para a Argentina no final de 1999. No último dia de 1999, a medida foi derrubada por uma liminar e as exportações de frango voltaram ao normal. Porém, o governo argentino acenou com a possibilidade de alterar a certificação do frango brasileiro, reduzindo sua classificação, de A para B. O certificado B é dado para os países que ainda possuem registros da doença de New Castle, que ataca o sistema nervoso das aves. A alteração na certificação seria implementada ontem mas o governo brasileiro conseguiu levar os dois governos para uma negociação. Paralelamente, a Abef vai iniciar negociações com a associação que reúne o setor de aves da Argentina, a Cepa. ‘‘É importante que caminhemos para um entendimento com nossa associação irmã argentina para que, juntos, consiguiremos levar o produto do Mercosul aos demais blocos econômicos’’, afirmou. Mesmo com todas os obstáculos criados pelo setor argentino, em janeiro de 2000, as exportações brasileiras de carne de frango para a Argentina subiram 95,78%, atingindo 6,7 mil toneladas ante as 3,4 mil toneladas registradas em igual período de 1999. O volume financeiro ficou em US$ 5,58 milhões ante US$ 3,67 milhões em igual período de 1999.