Ricardo Sarmiento
Agência Estado
O governo argentino está estudando a possibilidade de impor uma barreira sanitária para a importação de frangos, o que ira afetar diretamente a entrada do frango brasileiro ao país. Segundo fontes da Secretaria de Agricultura, membros da equipe econômica estão estudando a forma de baixar uma resolução que, na prática, poderia até acabar com a venda de frango brasileiro na Argentina, caso a decisão seja mais dura.
As mesmas fontes informaram que a meta é impedir a entrada de frangos afetados pela doença de New Castle. A dúvida é se a decisão final ira impedir a importação de um país como um todo ou apenas de frangos provenientes de Estados que não estejam livres dessa doença. A resolução, ainda em fase preliminar, não deve trazer nome de países especificamente, mas vai impedir a importação de frango com a doença de New Castle. As fontes consultadas admitiram que a medida estaria sendo elaborada em função das queixas dos produtores argentinos de frango.
O estranho dessa medida argentina é que ela acontece três dias após o governo argentino e a associação dos produtores e abatedores de frango daquele país terem declarado ‘‘trégua’’ às divergências na comercialização de frango. É que, na terça-feira, a Subsecretaria de Comércio Exterior argentina resolveu tomar mais tempo para analisar a denúncia de dumping nos frangos provenientes do Brasil. A decisão, que teria que ter sido tomada esta semana, foi adiada por tempo indefinido, embora algumas determinações legais implicam em que o prazo máximo seja de seis meses. Desta forma, estaria sendo aplicada a determinação dos governos dos dois países em adiar até abril os conflitos comerciais e evitar as medidas unilaterais.
No entanto, os produtores de frangos locais, da Cepa, a associação que os reúne, vão apelar à Justiça daqui a uma semana quando terminarem as férias judiciais, para que sejam aplicadas mais uma vez as cotas para a importação de frangos made in Brazil. As cotas foram aplicadas em dezembro, mas revogadas por uma ação judicial do próprio governo nos últimos dias do ano passado.