Em condições normais, a produção de grãos da safra 2000/2001 poderá ser 18,3% maior em relação ao ano passado. Poderão ser colhidas 16.288.900 toneladas, contra 13.764.533 t da safra passada. A estimativa de produção foi reavaliada em função do aumento na área plantada de milho, soja e algodão. Já a área de feijão cai bastante e o Paraná vai cultivar nessa safra a metade do que cultivava na década de 80.
A produção de milho será 33% maior. Poderão ser colhidas 7.875.000 t. A constatação é do Departamento de Economia Rural (Deral), que divulgou ontem, o relatório mensal de diagnóstico da safra de grãos de verão.
A estimativa anterior para o milho previa 15% de aumento no plantio e agora foi reavaliada para 16,59% (1.798.380 ha). A produçãode está crescendo pela produtividade das lavouras, que estão saltando de uma média de 3.900 kg/ha para 4.300 kg/ha.
A engenheira agrônomia Vera Zardo observa, porém, que ainda pode haver redução de área com milho, em função da falta de chuva no Norte Pioneiro. O clima tem facilitado o ataque de lagartas e há produtores que estão gradeando suas lavouras.
A área plantada com soja também foi reavaliada. No mês passado a área de cultivo deveria ser 4,9% menor em relação ao ano passado. Esse mês, foi constatado que a redução será de apenas 2,91% em relação à safra passada. Deverão ser plantados 2.768.817 ha e a expectativa é colher 7.694.000 t. A previsão de área com algodão é de 65.560 ha, 22,50% maior que a do ano passado (53.871 ha).
A área de feijão será uma das menores dos últimos anos. Na estimativa anterior a expectativa era de redução da ordem de 17% na área plantada e agora, foi reavaliada para 20,4%. Serão cultivados 358.983 ha com feijão na safra das águas.
Entre os motivos está o desestímulo com a cultura em função de preços ruins no período da comercialização. Além disso, os pequenos produtores que plantam o feijão estão descapitalizados e com dificuldades de conseguir crédito para o plantio. A falta de chuvas no Norte Pioneiro também já está prejudicando o cultivo de feijão naquela região. A estimativa é que sejam colhidas 380.288 t de feijão no Estado.