A Associação dos Revendedores de Combustíveis do Paraná (Arcom), de Londrina, assinou ontem com o Procom-PR um convênio que prevê a intensificação do combate à adulteração do combustível. Segundo o presidente da Arcom, Ariovaldo Ferraz Arruda, com o convênio os consumidores passarão a ter um telefone (0800-437731) para fazer denúncias sobre as suspeitas de adulteração.
Arruda afirmou que o laboratório móvel que já está percorrendo os postos de Londrina também faz parte do convênio com o Procon-PR. O presidente da Arcom afirma que a associação está viabilizando outro laboratório móvel para monitorar a qualidade dos produtos vendidos pelos postos de Londrina.
Segundo Arruda, a Arcom estima que 60% dos postos do município trabalham com produto adulterado. Mas segundo ele, a análise realizada pelo laboratório móvel não detectou alteração nos combustíveis em nenhum dos postos de Londrina. ‘‘Muitos donos de postos se apressaram para trocar o combustível’’, acusou. O presidente da Arcom disse ainda que as análises, depois de passar pelo laborátorio móvel, serão enviadas para o laboratório de análises da UEL para confirmar os resultados.
A Arcom foi criada há 60 dias, e segundo seu presidente, agrega 70 postos do municípios. Londrina conta atualmento com 116 postos. ‘‘Queremos que todos os estabelecimentos façam parte da Arcom. Quem não participar, por princípio de exclusão, já é um suspeito’’, afirmou.
O proprietário do Posto Manancial, Ilsom Gomes de Lima, que não faz parte da Arcom, afirmou ontem que a entidade também deveria promover a fiscalização junto aos distribuidores de combustíveis. ‘‘A proposta inicial faz com que os revendedores sejam vistos como os principais responsáveis pelo problema da qualidade do produto’’, afirma.
Lima afirmou que as grandes companhias são as responsáveis pela formação dos preços. ‘‘Elas oferecem melhores condições para os postos que lhes convém, e se nós buscamos as distribuidoras emergentes para comprar por um preço melhor, somos punido’’, disse. Lima disse que entrou com ação na Justiça para pedir a quebra da exclusividade que mantinha com seu fornecedor para poder comprar de outras distribuidoras.