A Bolsa de Valores de São Paulo refletiu ontem a instabilidade da economia argentina e terminou o dia com baixa de 3,71%. O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas, não acompanhou as Bolsas dos Estados Unidos e operou no vermelho durante quase todo o dia, para fechar com 13.989 pontos, nível que não atingia desde maio.
Na opinião de Charles Phillipp, da corretora SLW, o mercado deve começar a reagir depois da queda de ontem, que levou o Ibovespa para baixo dos 14 mil pontos. ‘‘Tecnicamente, a tendência é haver uma reversão.’’ A expectativa em relação ao plano econômico argentino, que seria anunciado pelo governo do país no início da tarde, fez com que a Bolsa paulista conseguisse recuperar suas perdas e chegasse a operar em alta de 0,04%. Mas o pacote argentino frustrou o mercado, que entendeu que ele não deve ajudar a melhorar a situação do país.
Depois do anúncio, somado ao fato de a Nasdaq (Bolsa eletrônica que reúne as ações das empresas da nova economia) passar a operar em baixa, a Bolsa paulista voltou a cair rapidamente, chegando a perder 3,77%.
O dia negativo fez com que apenas 4 empresas terminassem o pregão registrando alta. A queda de ações de empresas de peso no Ibovespa foram as que mais colaboraram para a baixa. Ações de empresas como Petrobras e Telemar tiveram desvalorização expressiva.