Alencar critica juros, mas defende Palocci


Vânia Casado Equipe da Folha
Vânia Casado Equipe da Folha

Curitiba - O vice-presidente da República, José de Alencar, manteve seu discurso de ataque aos juros, mas recuou no confronto direto ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Alencar disse que o Brasil já poderia ter feito as mudanças na política econômica para promover a queda dos juros há um ano, sendo que nesse período o governo já gastou R$ 150 bilhões só com juros, dinheiro que está fazendo falta para investimentos em infra-estrutura, educação, saúde e políticas sociais.
De acordo com Alencar, o presidente Lula desautorizou a equipe econômica do governo em taxar a contribuição previdenciária do empresariado em 20,6%. Disse que a medida foi objeto de exame e de especulação, mas não significava que seria adotada. ''Antes de concretizar a iniciativa, o presidente decidiu que não deveria elevar a carga tributária'', afirmou.
Alencar esteve ontem, em Curitiba, onde participou ao lado do governador Roberto Requião (PMDB), do XIV Congresso Brasileiro da Confederação das Associações Comerciais e Empresarias do Brasil (CACB). Requião provocou um clima hostil ao ministro Palocci, quando numa crítica à atual política econômica disse que os ''companheiros estavam comendo o pão que o Palloci amassou''.
No encerramento da palestra, Alencar defendeu Palocci, parodiando sua atuação com a de um time, que tem atuantes em todas as posições. Destacou que o ministro da Fazenda atua como ''beque'', na retaguarda, que é uma posição tão fundamental quanto as demais do time, salientou.
Alencar exibiu uma lista de uma empresa de consultoria colocando o Brasil como campeão mundial no ranking da taxa de juros elevada. De acordo com o vice-presidente, o País está convivendo com uma taxa básica de juros dez vezes mais alta do que a média de 30 países que figuram na lista. Depois do Brasil vem a Colômbia em segundo lugar com uma taxa de 2,3%, seguido da Malásia, com 2% e Inglaterra, com 1,9% de juros anuais.
Para o empresariado o caso é mais grave, destacou. Segundo Alencar, os empresários estão convivendo com uma taxa de juros anual que chega no mínimo a 35% ao ano, desestimulando qualquer investimento. Disse que os investimentos obtém no máximo um lucro de 5% depois de três anos, enquanto que a aplicação no mercado financeiro rende 16% ao ano.
Para reverter essa situação, Alencar disse que está na hora do povo brasileiro se ''desincabrestar'' dos juros altos e reivindicar a queda das taxas. ''Eu mesmo investiria mais, não fosse essas altas taxas'', referindo-se à baixa alavancagem das empresas brasileiras. Ele atribuiu aos juros altos o fato de que na maioria das vezes as lojas vivem vazias, enquanto que em outros países sempre estão cheias de consumidores. O vice enfatizou que só o crescimento econômico vai abrir espaço para o emprego formal.
Ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC) manteve inalterada em 16% ao ano a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic. A decisão ficou dentro das expectativas dos analistas.
O presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Rodrigo Rocha Loures, considerou que o BC perdeu mais uma oportunidade para reduzir a taxa básica de juros. ''Estamos vivendo um bom momento, com o crescimento da economia, exportações em expansão e melhoria do superávit primário. O cenário era propício para a redução da Selic e para uma mudança na política monetária. Mas o Copom perdeu a oportunidade'', avaliou Rocha Loures ao saber da manutenção da taxa de juros em 16% ao ano.
Segundo o presidente da Fiep, a redução dos juros melhoraria a capacidade de pagamento da dívida brasileira e diminuiria o Risco Brasil. ''Esta é uma questão central para o País e não foi levada em conta'', afirmou. ''O Brasil está perdendo as chances que se apresentam para sair da sinuca dos juros altos na qual foi colocado há nove anos'', completou.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:

Últimas notícias

Continue lendo