Ala do DEM defende que ministra da Agricultura deixe o cargo


JULIA CHAIB E RICARDO DELLA COLETTA
JULIA CHAIB E RICARDO DELLA COLETTA

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Depois da demissão de Sergio Moro (Justiça) nesta sexta (24), cresceu dentro do DEM uma ala que defende a saída da ministra Tereza Cristina (Agricultura) do governo.

A avaliação de integrantes da cúpula do partido é que a ministra é uma das estrelas do governo e deve deixar a Esplanada antes para que não seja atrelada a notícias negativas em torno de Jair Bolsonaro, como as acusações que Moro fez nesta sexta de que o presidente teria a objetivo de interferir no trabalho da Polícia Federal.



Tereza Cristina também tem sido alvo de ataques por parte de bolsonaristas por ser do partido de Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, a quem Bolsonaro definiu como adversário.

Ela própria já disse a seus correligionários estar incomodada com a ofensiva virtual de apoiadores de Bolsonaro.

A ministra também tem atuado para manter pontes com a China, principal consumidora do agronegócio brasileiro, após seguidas críticas do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao país.

Diante dos ataques e da escalada na crise do governo com sucessivas demissões, integrantes do DEM têm a avaliação de que não são pequenas as chances de ela pedir para deixar o ministério.

Dirigentes do DEM repisam que Tereza assumiu a pasta da Agricultura sem ser uma indicação do partido e que por isso a sigla não deverá condicionar a sua permanência na legenda à saída do ministério.

Mas consideram que o ideal para preservar a sua imagem e também para afastar a figura do DEM do governo seria que ela pedisse demissão. Essa posição é defendida principalmente por aliados de Maia.

A avaliação de que talvez um desembarque esteja próximo não é exclusividade do partido e foi feita pela própria ministras a aliados.

Ela considera que, nas últimas semanas, teve seus esforços para impulsar as exportações do Brasil sabotados pela ala ideológica do governo, que desencadeou uma série de ataques contra a China. O momento mais crítico desse desgaste ocorreu quando Eduardo Bolsonaro responsabilizou o país asiático pela Covid-19, causando uma crise diplomática com a embaixada da China no Brasil.

Depois do episódio, Tereza se queixou diretamente a Bolsonaro sobre os disparos dos olavistas contra a China e disse que eles estavam prejudicando sua atuação.

Os aliados da ministra argumentam ainda que ela tem mandato na Câmara, é uma liderança reconhecida no setor e que, portanto, não deve aturar por muito tempo um processo de fritura nos moldes do que ocorreu com o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Na quinta (23), o presidente do DEM, ACM Neto, esteve reunido com Bolsonaro. Segundo relatos, o dirigente do partido considerou que a conversa foi "mais do mesmo", com gestos do presidente de que quer manter um bom diálogo com a sigla.

Na ocasião, porém, Bolsonaro voltou a criticar Maia.

O presidente da Câmara mandou sinais de que quer ter diálogo institucional com o Planalto e que não tem a intenção de ficar "batendo boca".

Por ora, segundo dirigentes do DEM, o partido não partirá para o confronto com Bolsonaro, mas também não deverá integrar a base dele, como outras siglas do chamado centrão, como PP, PL, Republicanos e PSD deverão fazer.



Em troca, indicados dessas siglas serão acomodados em órgão do governo.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias