|
  • Bitcoin 121.481
  • Dólar 5,0538
  • Euro 5,2302
Londrina

CV Folha

m de leitura Atualizado em 05/07/2022, 14:12

Nova Loteria Regional do Rio Grande do Sul aumenta especulação da legalização dos jogos de azar

Brasil ainda não tem regulamentação para os jogos de azar mas a expectativa para um desfecho positivo segue alta

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 01 de julho de 2022

CV Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Nova Loteria Regional do Rio Grande do Sul aumenta especulação da legalização dos jogos de azar Imagem ilustrativa da imagem Nova Loteria Regional do Rio Grande do Sul aumenta especulação da legalização dos jogos de azar
|  Foto: Imagem de katemangostar do Freepik
 

As casas de apostas e cassinos ainda não podem operar de forma física em solo brasileiro, apenas online, mas com a aprovação do texto base, vem se especulando a legalização de jogos de azar, como o jogo do bicho no Brasil. Para isso, ainda existe um longo caminho para percorrer, necessitando de uma aprovação no Senado.

São muitos apoiadores e também grupos contrários, o que acaba travando o assunto da legalização e impedindo que o país já tenha um final feliz em relação a esse cenário mas a expectativa para um desfecho em um futuro próximo segue em alta.

Porém, no Rio Grande do Sul as especulações aumentaram após a criação de uma nova Loteria Regional.

No último dia 1º de junho, a Câmara Municipal aprovou a criação de uma loteria em Porto Alegre, com o projeto de lei de número 009/22.

Assim, fica autorizada a exploração de atividades lotéricas, visando aumentar as receitas da região e reduzir os custos do sistema de transporte público, os coletivos.

Os valores arrecadados com a loteria serão destinados inicialmente para o transporte e custeio de ações e projetos de acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência e idosos. A atividade já está valendo em locais credenciados.

Legalização poderia ser bom para o Brasil

Já está provado que a ilegalidade das apostas esportivas, cassinos e jogo do bicho não impedem a prática da atividade, que inclusive pode ser aderida tranquilamente online, pela internet e sem estar fazendo algo ilícito.

Porém, o que vem sendo defendido pelos apoiadores são os possíveis pontos positivos que o país poderia usufruir. 

O primeiro deles é a geração de empregos, já que as empresas precisariam de funcionários para manter as atividades, contratando diversas pessoas e abrindo oportunidades. 

Imagem ilustrativa da imagem Nova Loteria Regional do Rio Grande do Sul aumenta especulação da legalização dos jogos de azar Imagem ilustrativa da imagem Nova Loteria Regional do Rio Grande do Sul aumenta especulação da legalização dos jogos de azar
|  Foto: Photo by Helena Lopes - Pexels
 

Além disso, as contratações começariam já na construção, pois até mesmo os resorts prontos precisariam de adaptações para a implantação dos cassinos, seguindo regras estabelecidas pela lei. Outro ponto levantado é a economia local e nacional. Como os apostadores jogam online atualmente, o Brasil não recebe nenhum valor em taxas e impostos.

Com a legalização, as empresas teriam que pagar estes impostos para o país, assim como os apostadores que ganhassem acima de um certo valor.

Mais uma questão é sobre o turismo, e isso também está ligado a economia local. Com a ideia dos cassinos integrados em resorts, diversos turistas seriam atraídos para o Brasil, como ocorre em outros países como no Uruguai, por exemplo. 

Com isso, eles estariam contribuindo para o país, não apenas nos cassinos, mas também com o comércio local, sendo uma prática boa para todos os lados.

Como apostar vivendo no Brasil atualmente?

Como explicamos no texto, é possível apostar em casas de apostas ou cassino de forma online, mesmo estando no Brasil.

Essa prática não é ilegal, muito pelo contrário. Basta ser maior de idade, escolher uma empresa regularizada e usufruir de tudo o que ela disponibilizar para os seus clientes.

Outras apostas são as de loterias, como a Nova Loteria Regional do Rio Grande do Sul, ou a tradicional da Caixa Econômica Federal, em todo o país. Nas duas, o único requisito também é ser maior de idade, ou seja, ter pelo menos 18 anos no Brasil.