A série "Bebê Rena" (2024), sucesso atual da Netflix, oferece uma janela para se olhar para a complexidade dos relacionamentos, especialmente aqueles marcados por dinâmicas tóxicas. Da perspectiva da psicanálise, essas relações são frequentemente impulsionadas por conflitos inconscientes e padrões de comportamento repetitivos dos quais as pessoas envolvidas não se dão conta, ou seja, vão agindo de maneira meio que autônoma, sem perceber no que estão realmente se metendo e sem perceber também os desdobramentos que se seguirão em suas vidas e na dos outros.

Os personagens de "Bebê Rena", não só os dois principais, exemplificam diversas manifestações de relações tóxicas e abusivas. Por exemplo, a dependência emocional entre os diversos personagens reflete a busca por preencher lacunas internas através do outro, uma dinâmica comum em relacionamentos onde um parceiro assume um papel de cuidador ou protetor. Essa dinâmica pode ser observada em muitos casais na vida real, onde um indivíduo busca constantemente a validação e segurança do outro para sustentar sua própria autoestima frágil e precária.

Além disso, a manipulação emocional explicitamente vivenciada entre os personagens da série evidencia a presença de padrões de controle e poder na relação. Um exerce domínio sobre o outro, minando sua autoconfiança e reforçando uma dinâmica de submissão. Essa dinâmica pode ser encontrada em diversos contextos, desde relacionamentos amorosos até relações familiares ou profissionais, onde um indivíduo busca controlar o outro para satisfazer suas próprias necessidades emocionais e perversas.

O sadismo e o masoquismo, muito presente na série, são conceitos fundamentais na psicanálise, introduzidos por Freud como formas de descrever certos padrões de funcionamento e dinâmicas de relacionamento. Ambos os termos têm suas raízes na obra do Marquês de Sade, mas foram reinterpretados por Freud em um contexto psíquico.

O sadismo refere-se à obtenção de prazer ou gratificação através da dominação, controle, humilhação ou causando sofrimento físico ou psicológico a outra pessoa. O indivíduo que exibe comportamentos sádicos pode sentir uma sensação de poder ou superioridade ao infligir dor ou submeter outros a sua vontade. Esse impulso pode surgir de uma variedade de fontes, incluindo experiências traumáticas passadas, conflitos internos não resolvidos ou um desejo de compensar sentimentos de inadequação ou impotência.

Por outro lado, o masoquismo envolve a obtenção de prazer ou satisfação através da submissão, da dor física ou emocional, ou da entrega ao controle de outro. Esse comportamento pode ser resultado de uma variedade de fatores, incluindo experiências de abuso, negligência ou trauma, bem como conflitos psicológicos relacionados à autoestima, culpa ou necessidade de punição.

É importante ressaltar que o sadismo e o masoquismo não são necessariamente patológicos em si. No entanto, quando esses impulsos são excessivos, causam sofrimento significativo ou interferem no funcionamento saudável do indivíduo ou de seus relacionamentos, podem ser considerados problemas psicológicos.

A série também aborda questões como o ressentimento acumulado, que são ingredientes comuns em relações tóxicas. A incapacidade dos personagens de expressar suas emoções de forma saudável leva a conflitos latentes e ressentimentos não resolvidos, alimentando um ciclo de sofrimento sem fim.

Na vida cotidiana, muitas pessoas vivenciam dinâmicas semelhantes às apresentadas em "Bebê Rena", mesmo que em diferentes graus. Relacionamentos marcados por dependência emocional, manipulação e ressentimento são comuns e podem ter raízes profundas na história pessoal de cada indivíduo. A psicanálise oferece um olhar atento a esses padrões, buscando compreender suas origens e promover um olhar novo e mais compreensível para o que vivemos no nosso dia a dia e que nos traz tanto dissabor.