Descontrole

Nem todo namoro é um namoro de fato; há pessoas que ficam juntas para alimentarem suas angústias e manterem seus modos de vida

 

Descontrole
iStock
 



Pergunta de Leitora

Estou noiva e desde o namoro tenho um descontrole excessivo com meu parceiro. Ele bebe muito e por conta do meu descontrole emocional bebe mais ainda. Ele já tentou se controlar mais para me ajudar e evitar brigas. Quando fico brava falo alto, xingo e até faço ameaças. Saio de mim quando ele não faz o que mando. Já terminamos várias vezes e tivemos a última briga semana passada. Acredito que meu namoro foi para o beleléu e gostaria de uma ajuda. Às vezes penso que ele nem me ama, mas, por outro lado, chego a concluir que quem não deve amá-lo sou eu. Penso assim pois, aturar o que ele atura, só sendo amor mesmo. Por favor, me ajude.


Ele se descontrola bebendo excessivamente, você se descontrola xingando e falando alto. Os dois, parece, estão fora de controle e acabam se usando para justificar o descontrole. Assim você fica presa a ele e ele a você. O que está difícil, aparentemente, é vocês dois assumirem a responsabilidade pela própria vida.


O que será que sustenta essa relação? Será que há amor envolvido de fato, como você se pergunta, ou se trata apenas de um usar o outro para não crescer? O que será que vocês querem estando juntos? Enquanto essas questões não forem pensadas e avaliadas fica difícil saber com clareza sobre para onde anda esse relacionamento.


Nem todo namoro é um namoro de fato. Há pessoas que ficam juntas para alimentarem suas angústias e manterem seus modos de vida. Sim, isso é bastante comum. Não é à toa que vemos tantos relacionamentos conturbados e até doentios por aí. Afinal, não é só o amor que une duas pessoas, mas também o ódio, o medo, a dependência e muitos outros elementos empobrecedores. Há relacionamentos e relacionamentos e saber o que os une é importante para compreendermos a situação que vocês vivem.


O que você precisa é do saber que a análise pode te proporcionar. O saber do autoconhecimento. Enquanto você não compreender o que te move e o que te faz insistir nesse relacionamento e nesse estilo de vida, de nada adianta se perguntar sobre o relacionamento em si. As respostas que você busca estão dentro e não fora. O primeiro passo, que foi me escrever e contar um pouco do que você vive, você já deu, agora falta seguir em frente e ousar abrir as portas para o desconhecido que há em você. Assim não precisará mais “sair de você”, mas encontrará em você mesma a direção que precisa tomar na vida.



Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo