Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias


Material desenvolvido pelo Governo do Estado do Paraná com apoio do Sistema FAEP/SENAR-PR , a cartilha tem o objetivo de orientar a prevenção de crimes em áreas rurais. Apesar do trabalho das patrulhas rurais alguns cuidados são importantes para a segurança dos agricultores e suas famílias. Como destaca o presidente do Sindicato Rural Patronal de Londrina Edson Dornelas (foto), um dos primeiros pontos tratados na cartilha é a vigilância.  É preciso ter boa visibilidade dentro das propriedades: “Aconselha-se o proprietário rural a planejar o paisagismo da sua propriedade em torno da casa e das outras construções onde haja circulação de pessoas, de forma a oferecer mais segurança para todos.  Evite árvores e arbustos muito próximo à casa, pois podem ser usados como esconderijos ou servir de apoio para o invasor subir no telhado”, lembra Dornellas. Outra orientação é conhecer e estar sempre em contato com os vizinhos por meio de grupos no WhatsApp, pelo telefone e reuniões periódicas. Também investir na instalação de câmeras, alarmes, iluminação, cercar casas são algumas das ações citadas que facilitam a segurança do local. Um dos crimes mais comuns é o roubo de gado. O produtor não deve deixar animais em pastos próximos a estrada e longe da sede. A Cartilha com 20 páginas será distribuída nos sindicatos rurais, delegacias e órgãos do governo do Estado voltados a agropecuária e também pode ser acessada on line no site da FAEP: https://sistemafaep.org.br/wp-content/uploads/2021/09/Cartilha_Seguran%C3%A7a-Rural_impressao.pdf  

 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Divulgação
 


 Investindo na cidade: a rede Kharina chegando a Londrina 

Na década de 70, quando a moda era usar calças boca de sino dia e noite, os serv-cars também eram difundidos pelo cinema americano. O empresário Rachid Cury, fã declarado dos filmes hollywoodianos, tinha 24 anos quando decidiu abrir um negócio inspirado nas lanchonetes drive-in da telona. Foi assim que nasceu uma das mais tradicionais redes de restaurantes da capital paranaense: o Kharina. Quarenta anos depois, a rede tem 5 casas em Curitiba e 4 em São Paulo. Agora, está investindo no primeiro restaurante da marca em Londrina. A unidade já está em construção na Avenida Higienópolis, em espaço amplo com estacionamento próprio. A execução da obra é da Mandelli Engenharia, com inauguração prevista   para julho de 2022. 



Exposição pró Outubro Rosa 

O Hospital do Câncer de Londrina promove exposição da artista plástica londrinense Conceição Garcia Punhagui, com telas e tintas (foto), tendo em visto mês de Outubro que simboliza a luta contra o câncer de mama. A exposição Outubro Rosa busca arrecadar fundos, para ajudar a custear as atividades do HCL. As obras estão expostas no Espaço Cultural Ceddo, rua Pernambuco, 725, até dia 11 de novembro, de segunda a sexta (das 8h às 12h e das 14h às 18h) e aos sábados (das 8h às 12h). Parte do lucro arrecadado na venda das telas será destinado ao Hospital do Câncer de Londrina. 

 

 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Divulgação
 


Em 1987 o governador Álvaro Dias instituiu a gratuidade no ensino superior paranaense 

Aproveitando o aniversário de 50 anos da criação da UEL, o jornalista e autor de vários livros, José Antônio Pedriali, lembra esta Coluna sobre a lei de autoria do ex-governador Álvaro Dias, que instituiu a gratuidade do ensino superior a todos os cursos universitários do Paraná. Isso ocorreu no mesmo ano em que ele tomou posse no governo do Estado, e cumpriu promessa de campanha. Recorda Pedriali que a Universidade Estadual de Londrina (UEL), completando 50 anos, foi derivada das faculdades de Direito, Odontologia e Filosofia, Ciências, Letras e História e Geografia. Ela foi criada em 1970 pelo governador Paulo Pimentel e reconhecida no ano seguinte. Com mais de 50 cursos de graduação e 260 de pós-graduação, é considerada uma das mais lembradas e elogiadas instituições. Nesse meio século de existência, a UEL formou dezenas de milhares de profissionais, de todas as regiões do país e do exterior, boa parte deles graças à gratuidade do ensino, instituída em 1987 pelo governador Alvaro Dias e vigente em todas as instituições de ensino superior mantidas pelo governo do Paraná. Projetado na política por sua liderança estudantil, a partir de 1968, quando se elegeu vereador em Londrina – foi deputado estadual e federal e senador, cargo onde está atualmente. Alvaro identificava-se com a bandeira da gratuidade do ensino superior, empunhada por estudantes e professores, que efetivou no mesmo ano em que assumiu o Palácio Iguaçu. "A gratuidade do ensino público, incluindo o superior, constitui uma das pouquíssimas formas efetivas de distribuição de renda numa sociedade tão injusta como a nossa”, escreveu Alvaro em artigo publicado pela “Folha de Londrina em 12 de maio de 1998. O ensinou gratuito, acrescentou, é um “avanço do direito e da civilização” e “um passo, ainda que pequeno, em direção a uma sociedade mais justa.” 

 


Escola Municipal Roberto Alves  

A Prefeitura de Londrina inaugurou na semana passada a Escola Municipal Roberto Alves de Lima Junior, no Residencial Acquaville, região leste da cidade. Com capacidade para até 1.000 estudantes, divididos em dois turnos, se tornará a maior escola municipal da rede pública de Londrina. São 18 salas de aula, refeitório amplo, cozinha, horta, duas quadras poliesportivas, uma delas coberta. A escola homenageia Roberto Alves de Lima Junior, advogado, especialista em Direito Urbanístico e em Direito do Estado. Foi servidor de carreira da Prefeitura desde 2008. Entre outros cargos, foi assistente de diretoria do Instituto de Desenvolvimento de Londrina, diretor-presidente da Codel e diretor-presidente do Ippul. Em 2020, Roberto afastou-se de suas funções devido a problemas de saúde e no mesmo ano   faleceu por complicações de lúpus.  “A Prefeitura perdeu um dos seus mais brilhantes servidores,” disse o prefeito. Na foto, durante a inauguração, o vice-prefeito João Mendonça, o prefeito Marcelo Belinati e a secretaria da educação Maria Tereza Paschoal de Moraes 

 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Divulgação
 


A aula-palestra sobre a A Revolução dos Bichos 

O jornalista e escritor Paulo Briguet faz na próxima quinta-feira (14) uma aula-palestra sobre o livro “A Revolução dos Bichos”, de George Orwell. Inicialmente vista como uma paródia da Revolução Russa, a obra de Orwell é muito mais do que isso: trata-se de uma fábula para adultos que ajuda a explicar a atual crise que o nosso país e o mundo enfrentam. A aula-palestra será no dia 14, às 20 horas, no Cedro Hotel de Londrina. O valor é de R$ 50 e as vagas são limitadas. O pagamento pode ser feito por Pix (chave 43 991011880). Uma aula palestra que deve interessar muito aos próximos vestibulandos, além do público mais adulto.  


 

Summer Sessions

O Villa Fontana da Higienópolis tem sido palco de um badalado evento todos os sábados. É o Summer Sessions, que reúne muita gente bonita em tardes regadas a bate-papos, menu diferenciado e drinks exclusivos. Diversas marcas importantes estão presentes no evento e entre elas o Morro dos Anjos Hotel Resort. Carlinhos Grade recebendo elogios como anfitrião. Confira algumas fotos de Gabriel Leite. 

 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Gabriel Leite - Divulgação
 

Pedro Boer e Marcela Bruno  


 

 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Gabriel Leite - Divulgação
 

Hannah Harfuch ,Gustavo Andrade e Cassiano Andrade 


 

 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Gabriel Leite - Divulgação
 

Bruno Meranca 



 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Gabriel Leite - Divulgação
 

Camila Franco  


 


 

Cartilha de Segurança Rural para agricultores e suas famílias
Gabriel Leite - Divulgação
 

Os anfitriões Lilan Koga e Carlinhos Grade 




Parece estar fazendo força para perder sua reeleição  

O presidente Jair Bolsonaro disse que foi obrigado a vetar a distribuição gratuita de absorvente para estudantes de baixa renda, mulheres adultas e presidiárias. Cada absorvente custaria quase nada, centavos mesmo, para o governo. Algumas mulheres disseram que já usam miolo de pão e folhas de plantas para o período da chamada menstruação. O presidente Bolsonaro deveria ouvir sua esposa, as noras e algumas deputadas a respeito e também as mulheres que encontrar pelas ruas.  Por atitudes como essa, Bolsonaro precisa voltar atrás ou então poderá parecer que não está desejando sua propalada candidatura à reeleição. Procurem saber o preço dos absorventes nas farmácias...Sobe todos os meses.  É perversidade negar absorvente para as mulheres pobres, presidiárias e estudantes mulheres de baixa renda. Não tem dinheiro? Tirem um pouco da renda da Megasena, que é grande. O esporte “amador” brasileiro já foi às Olimpíadas, e também às Paralimpíadas em Tóquio, portanto não precisa de tanto dinheiro, pelo menos para os próximos três a cinco meses. O presidente da Caixa, que é o dono das loterias, precisa ajudar Bolsonaro, já que se diz muito amigo dele. Será que ninguém raciocina entre os amigos, auxiliares e ministros de Jair Bolsonaro?     



 


A linguagem que o mundo entende

Segundo Eglandyne Jebb, educadora inglesa, “a única linguagem internacional que o planeta todo entende é o choro de uma criança...” Ela foi a precursora da luta pela declaração dos direitos da criança, aprovada pela ONU.  


***

Corrigindo: o presidente Artur Bernardes criou o dia da Criança, no Brasil, em 1928, portanto antes do que a ONU, que só oficializou a data nos anos 50. 



***


A opinião do colunista não é, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina 



Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL



Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo