|
  • Bitcoin 105.223
  • Dólar 5,2228
  • Euro 5,4757
Londrina

O SEU DIREITO

m de leitura Atualizado em 18/05/2022, 17:56

Saiba quais são os direitos decorrentes do atraso em compras online

Todas as lojas on-line são obrigadas a informar o prazo de entrega ao cliente antes da conclusão da operação

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 18 de maio de 2022

Larissa Reghin Azevedo
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Um dos efeitos causados pela pandemia do Covid-19 foi o aumento significativo das compras pela internet e, consequentemente, também aumentou o volume de reclamações dos consumidores quanto ao atraso no prazo de entrega das compras. 

Imagem ilustrativa da imagem Saiba quais são os direitos decorrentes do atraso em compras online Imagem ilustrativa da imagem Saiba quais são os direitos decorrentes do atraso em compras online
|  Foto: iStock
 

O Código de Defesa do Consumidor (CDC) não especifica um prazo máximo para entrega do produto, mas determina que é dever do fornecedor informar ao consumidor o prazo de entrega no momento da compra. 

Portanto, todas as lojas on-line são obrigadas a informar o prazo de entrega ao cliente antes da conclusão da operação. Caso o prazo informado não seja cumprido, a recomendação inicial é que o consumidor entre em contato com a empresa para tentar solucionar o problema amigavelmente.

Cumpre ressaltar a importância de solicitar um registro por escrito no momento da reclamação ou anotar o nome do atendente, o horário e o número do protocolo (se tiver), ou seja, não esquecer de registrar todas as informações obtidas para eventual necessidade de comprovação dos fatos ocorridos.

Caso a empresa não resolva o problema, o art. 35 do CDC diz que o consumidor tem direito a três alternativas. A primeira possibilidade é exigir o cumprimento forçado da obrigação, de acordo com o que foi ofertado pela loja na apresentação ou publicidade do produto. A segunda opção é aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente que satisfaça sua necessidade. Por fim, a terceira e última opção é rescindir o contrato de compra com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, cujo valor deve ser corrigido e atualizado, e a perdas e danos. 

Se a empresa não se manifestar ou der uma resposta insuficiente, a recomendação é que o consumidor busque a ajuda do PROCON. E caso não seja resolvido desta forma, o consumidor pode acionar a Justiça, ocasião em que poderá requerer também indenização por danos morais, relativos à perda de tempo produtivo entre outros aborrecimentos e transtornos, o que vai aumentar a oneração da empresa e a indenização do consumidor.

Larissa Reghin Azevedo, membro da Comissão de Direitos do Consumidor da OAB Londrina.