|
  • Bitcoin 102.580
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 18/01/2022, 03:28

Terrorismo, novo normal

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Luiz Geraldo Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A OMS alertou que até março a metade da população europeia estará contaminada pela Covid, vários estados brasileiros estão embaixo d'água, no Pacífico entrou em erupção um vulcão submarino e a consequência foi um tsunami, a pandemia continua avançando, apesar de as mortes móveis reduzirem. O novo normal é isso aí, o terror.  O Datafolha mostrou que o número de casos está subnotificado: ao menos o dobro.  

Melhora 

O PIB para novembro subiu expressivamente 0,69% depois de três meses sequenciais em baixa. Nem tudo se relaciona, mas havia no início da semana 10 mil vagas de emprego nas agências do trabalhador do Paraná. Além dos 205 mil empregos temporários do Censo do IBGE teremos mais 220 mil em concursos com salários de até R$ 21 mil. Esperança persiste. 

Temporal 

Temporal destrutivo em Curitiba e Londrina, derrubada de árvores, desligamento de energia de milhares de casas. Na capital em 15 dias de janeiro tivemos a metade da carga pluviométrica para o mês. Enquanto isso o número de internados da Covid mais que dobrava em apenas duas semanas. Nesses próximos dias a Anvisa pode liberar a Coronavac para crianças e o autoexame doméstico. 

A guarda 

Não se pode e nem se deve baixar a guarda: o fato de diminuir a letalidade proporcionalmente não reduz a progressão geométrica das infecções: no Paraná tivemos dois óbitos e 5.528 casos nas últimas 24 horas. É chocante e deu para percebê-lo na televisão neste fim se semana nos jogos da Europa e da copinha em São Paulo que o povo não se emenda: menos de 2% usam máscara. 

Djokovic 

O tenista número um do mundo pode cair no ranking pelo seu negacionismo antivacinal: foi deportado da Austrália e está avisado de que não terá colher de chá na França. Virou o ícone mundial antivacina. Em causas massivas como guerra e pandemia não há espaço para essa frincha da liberdade. Num país que tem o voto obrigatório, não faz sentido o opcional pela cutucada ou não. Datafolha mostrou que 58% dos brazucas acham que Bolsonaro atrapalha quando o tema é a vacinação das crianças e que 79% a apoiam. Não é pequeno o número dos que rejeitam a vacina: 17%. 

LEIA TAMBÉM:

Mais pesquisas

Sinais 

Em portos e aeroportos já dá para sentir os efeitos de operação padrão mexendo com cargas e abrindo caminho para a greve do pessoal da Receita Federal inconformado com o tratamento privilegiado a policiais federais. Hoje deve ocorrer em frente ao Ministério da Economia a mobilização convocada pela Fonacate (Fórum Nacional de Carreiras Típicas de Estado). Isso deve aumentar a rejeição ao presidente, que no Datafolha é de 60%. 

Pauta 

A pauta do STF em função do ano eleitoral não é pequena e temas complexos como federação partidária, fundão e ficha limpa. A Corte condenou o deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade), articulador da aliança Lula-Alckmin, a 10 anos e dois meses de prisão e à perda de mandato, sentença essa que não saiu do papel desde junho de 2020 e sob recurso desde novembro daquele ano. 

Folclore 

Áustria é o primeiro país da União Europeia a anunciar a vacina obrigatória contra Covid a partir dos 18 anos, e no domingo a França aprovou o passe vacinal (218 a favor, 58 contra), que exige o certificado de imunização para pessoas com mais de 16 anos frequentarem restaurantes, cafés, cinema e trens de longa distância. O cerco não é para brincadeira.