|
  • Bitcoin 150.999
  • Dólar 5,0617
  • Euro 5,2708
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 28/04/2022, 17:40

Rumo à anomia

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 29 de abril de 2022

Luiz Geral Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Diz a ONU que a Rússia acaba a guerra quando quiser. Aqui assistimos às consequências da degradação da Lava Jato, a anulação das  sentenças contra Lula pelo STF, a declaração do Comitê das Nações Unidas de que Sergio Moro perseguiu o ex-presidente. Segue-se a condenação do deputado Daniel Silveira e o indulto presidencial e a provocação do PTB sugerindo que o perdoado iria para a CCJ num deboche claro ao Judiciário. Os freios e contrapesos da Carta de 1988, a Cidadã do Doutor Ulysses, onde estarão? Caminhamos para a anomia, falta de referenciais institucionais, em meio a tanta participação.

Sinais 

Pelo terceiro mês consecutivo há recorde da arrecadação federal num momento em que o IBGE mostra que os alimentos subiram 15% num ano e a Fundação Getúlio Vargas assinala o registro de 0,9% no grau de confiabilidade do comércio. Entre empregados e desempregados tivemos uma sobra positiva de 130 mil vagas no trimestre, mas isso não livra o Brasil de figurar no ranking do maior número de desempregados do mundo.

Front 

Depois de um mês Curitiba volta a ter mais de mil casos de Covid, em São Paulo como aqui há baixa de mortes, enquanto crescem as infecções. Média móvel de óbitos no Brasil fica abaixo de 200 há 25 dias. Entre terça e quarta 224 óbitos e 20.495 infecções em 24 horas, Paraná com três mortes e 2.300 casos, Curitiba 2 mortes e 357 infecções, casos ativos passam de mil. Há um alerta em torno de doenças respiratórias. Apura-se que 3 em cada 10 crianças não estão vacinadas contra doenças graves. No fim de semana em São Paulo será o Dia D de vacinar contra gripe e sarampo. Em SP é identificada nova subvariante do coronavírus, ainda não catalogada em lugar nenhum do mundo.

Impasse 

Apesar do impasse mais recente, o perdão ao deputado Daniel Silveira, o STF formou maioria para derrubar ato de Bolsonaro sobre fundo ambiental. Placar está em 9 a 1 e o voto divergente é do ministro Kassio Nunes Ferreira. E isso se dá no dia em que ficou claro que o Brasil foi o país que mais derrubou (cerca de 40% do total) matas nativas no mundo.  

Deboche 

Não é só o PTB que tenta desmoralizar o STF designando o deputado indultado para postos na Comissão de Constituição e Justiça. Agora a bancada federal do PT quer que Sergio Moro seja condenado por prejuízos ao país no Petrolão. Assim, os que meteram a mão no jarro se arrogam ao papel de vítimas e não de autores da roubalheira, iniciada com o mensalão. 

Chantagem 

A União Europeia está acusando a Rússia de chantagem por cortar o gás da Polônia e Bulgária, quando ela está apenas se defendendo das sanções que a atingem duramente. Enquanto isso a invasora faz ameaça nuclear à Otan e ataca as armas doadas para a Ucrânia, falando em terceira guerra mundial. À margem disso tudo surpreende a troca de prisioneiros entre Washington e Moscou, o que não implica em avanço diplomático. 

Auxílio 

A Câmara Federal já aprovou o valor mínimo permanente do Auxílio Brasil em R$ 400. Essa parcela temporária, tida como benefício extraordinário, vigoraria até dezembro. O texto vai para o Senado. 

IPCA a 12% 

Maior em 27 anos, o IPCA vai a 12% em cálculo anualizado. O índice de 1,73%, bem menor que o previsto no mercado, é puxado por transportes e em seguida por alimento. Em abril eis as maiores altas: tomate 26,17%, melão 23,15%, cenoura 15,02%, óleo diesel 13,11%.    

Trabalho 

O Paraná volta ao nível recorde de trabalhadores domésticos, ainda que parte seja atingida pelos não formalizados. 

Folclore 

A Faciap tem razão em questionar o Ministério Público, o Tribunal de Justiça e Assembleia Legislativa pela criação de 542 cargos comissionados num momento em que o próprio governo congela salários (e isso há bastante tempo) dos servidores.     

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.