|
  • Bitcoin 144.486
  • Dólar 4,8243
  • Euro 5,1620
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 18/04/2022, 19:53

Emergência discutível

A Organização Mundial de Saúde, OMS, avisa que a guarda não deve baixar ante a pandemia

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 19 de abril de 2022

Luiz Geraldo Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A Organização Mundial de Saúde, OMS, avisa que a guarda não deve baixar ante a pandemia, e o ministro Queiroga anuncia fim da emergência sanitária. Uma certa dose de confusão tem sido a constante, às vezes entre níveis de governo, e não surpreende em termos rigorosos uma certa incompatibilidade entre as orientações. Segue, no caso brasileiro, ato normativo detalhando a medida e seus cuidados. No Paraná houve 405 novos casos, 4 óbitos. Alerta de outra natureza: aumento de 86% só neste ano de casos de dengue com o vírus se espalhando pelo sul. 

Ultimato

Milionário ucraniano promete reconstruir Mariupol e isso enquanto a Rússia dá ultimato para que seus sobreviventes deponham as armas e avisando que os que permanecerem serão eliminados. Assim mesmo a cidadela, já erigida em símbolo, resiste. 

Comida barata

Estudo de série histórica do Fundo Monetário Internacional mostra que com maior preço em cem anos foi encerrada a era da comida barata. A inflação dos alimentos cresceu com a pandemia e a guerra da Ucrânia, mas persistiram fatores estruturais como o aumento de renda na Ásia e na África e as mudanças climáticas que decretaram a imprevisibilidade das safras. 

Nova de sempre 

De uma coisa não podemos nos queixar: todo começo de semana tem uma boa nova na reserva, sempre expressiva, de vagas de emprego nas agências do trabalhador, dessa feita com 9.458 unidades com carteira assinada. 

PT reage 

Mais uma vez o Partido dos Trabalhadores vai ao TSE para denunciar propaganda antecipada de Bolsonaro na recente motociata, que é ato político de extrema visibilidade, feito com a maior naturalidade, como se não fosse de sentido fortemente eleitoral.

Tarifa 

Fala-se menos em tarifa do que em questões ligadas à Sanepar: sempre tem um motivo em reparos na rede para a suspensão, ainda que temporária, desabastecimento. Agora, nesta semana, a interligação de reservatórios responderá pela anormalidade na quinta feira. 

No sul 

Apesar das vaias que levou em Santos, Jair Bolsonaro leva boa vantagem sobre Lula no sul do país, segundo as pesquisas.  

Guarapuava 

Alvo de um ataque extremamente organizado contra uma empresa de Guarapuava com etapas de queimas de caminhões, a polícia do Paraná teve que se reorganizar para enfrentar a parada tida por sua extrema violência como ato de terrorismo. Nesses dias a polícia paranaense apreendeu num avião agrícola com 450 quilos de crack. 

Historicidade 

Ante a insistência do presidente e seus aliados na exaltação do golpe de 1964 veio em bom momento a sequência de áudios do professor Carlos Fico, de sessões do Superior Tribunal Militar com referências a casos de tortura no regime. Há nesse acervo 10 mil horas de registros feitos entre 1975 e 1985 sob cuidados da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Há dezenas de intervenções de ministros militares condenando o uso da tortura nas incriminações. 

Carnaval 

Apesar das proibições de blocos - o ponto popular mais elevado dos carnavais -, há um sentido de recuperação tanto no Rio como em São Paulo no setor econômico ante o alívio representado por uma celebração insólita por ser fora de época, mas já permitindo a extensão da alta temporada no campo da indústria hoteleira. 

Folclore 

Distribuidoras de energia querem parte dos R$ 60 bilhões em créditos tributários que deveriam aliviar a conta de luz dos brasileiros sob o argumento de que sustentaram a batalha jurídica que garantiu a grana. Enquanto os usuários rezam o terço para diminuir esses gastos, as empresas querem um terço da soma acumulada. Como se vê, até entre os terços se nota a diferença da sorte.  

A opinião do colunista não reflete, necessariamente, a da FOLHA

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link