|
  • Bitcoin 111.443
  • Dólar 5,2423
  • Euro 5,5322
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 19/01/2022, 18:05

Água sem crise

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Luiz Geraldo Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Depois de quase dois anos de racionamento, regulariza-se o abastecimento de água em Curitiba, após chegarmos a um nível de 80,34% nos reservatórios em função das fortes chuvas na Região Metropolitana. O padecimento foi grande, mas permitiu o atendimento possível, o que obriga as autoridades à busca de nova estratégia com avaliação de novas fontes, entre elas a do represamento do Capivari, e apertar a fiscalização na Sanepar nas novelas das barragens que nunca terminam.

Acima de 80% 

Quatro estados -Ceará e Goiás acima de 87% de ocupação de UTIs, Pernambuco 86%, Espírito Santo 80% - e mais Amazonas e Tocantins 77% e Mato Grosso com 72%, mostram a realidade da pandemia num momento de sufoco. Situação no Paraná repete a de janeiro de 2021, enquanto o cenário geral no país é o de julho. Curitiba não teve óbitos, mas registrou 2.403 casos. No país 317 mortes entre segunda e terça e 132.254 infecções em 24 horas. No Amazonas número de pacientes internados cresce 561%. No Paraná a ocupação de UTIs está em 56%. 

Paralelismos 

Como se não bastasse há anomalias paralelas como o norovírus de Guaratuba e concorrentes como a intervenção de superbactérias e outras como a chichungunya, sequela da dengue, que cresceu 30% entre 2021 e 2022. 

Exploração  

Há falta de exames preventivos no mercado, o que leva a especulação que em São Paulo chega a cobrar R$ 400 pelos testes. Havia esperança de que a Anvisa liberasse o autoteste que poderia inserir-se nas políticas públicas. Nem tudo é harmônico nesse campo, tanto que apenas em cinco estados - Bahia, Ceará, Pará, Paraíba e Piauí - escolas pedirão prova de vacinação. No Paraná a alta da Covid adia por duas semanas aulas presenciais da Universidade Federal. 

LEIA TAMBÉM

E os outros?

Terrorismo, novo normal

Ao vivo 

O BBB da Globo e o Faustão na Band mostram que a tv aberta está viva, pulsante. O streaming não matou a modalidade e Faustão ficou em segundo lugar no Ibope por várias horas e o Big Brother deu a maior audiência de 2022 da Globo. 

Óbvio 

Mais uma vez o absolutamente esperado: novo recorde de renda de famílias endividadas no Brasil. Essa deficiência no consumo é um dos fatores que impedem a retomada das contas cujo instrumental de reabilitação é precário.  Sinais desalentadores logo no primeiro mês do ano com os tributos (IPTU, IPVA), mais as despesas obrigatórias como material escolar, que acumula alta de 30% e obriga o Procon a acrobacias para orientar o consumidor. 

Subsídio 

O Ministério Público em Londrina deflagrou investigação sobre os R$ 25 milhões de subsídio ao transporte coletivo. No mundo inteiro a saída para acertar o equilíbrio dos contratos é essa mão estatal que funciona melhor do que a "invisível" do mercado. Em Curitiba isso acontece há vários anos e tanto prefeitura como governo estadual operam. Em algumas ocasiões gerou conflito como os havidos entre Beto Richa e Gustavo Fruet.   

Ajuda 

A estiagem agrediu fortemente a agricultura (o que inclusive a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, constatou no Oeste) e o governo estadual está pedindo ações concretas da União para atender os produtores. 

Apoio 

O clã bolsonarista não gostou da decisão do Fabrício Queiroz sair candidato e muito menos de ele dizer que se tiver apoio da família do presidente, todos seus amigos, será o mais votado deputado federal. 

Folclore 

Há quem entenda que Guevara quando disse que era preciso lutar sem perder a ternura talvez estivesse se referindo ao humor. Agora na manifestação dos barnabés federais houve uma muito boa em cima do currículo de Paulo Guedes, que com ele o Brasil saiu da oitava economia do mundo para a décima segunda. Daí para a segunda divisão, Série B, é um pulinho. 

A opinião do colunista não reflete, necessariamente, a da FOLHA

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link