|
  • Bitcoin 121.924
  • Dólar 5,0950
  • Euro 5,2487
Londrina

Luiz Geraldo Mazza

m de leitura Atualizado em 12/07/2022, 03:57

A morte incomum

O vice-presidente da República atribuiu ao episódio de Foz do Iguaçu um sentido de coisa comum, de fim de semana

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 12 de julho de 2022

Luiz Geraldo Mazza
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O vice-presidente da República atribuiu ao episódio de Foz do Iguaçu um sentido de coisa comum, de fim de semana. Como se tratava de origem política – o autor bolsonarista, a  vítima lulista- o fato obteve destaque nacional e gerou uma onda de protestos contra a violência no processo politico, cujo clima desde a última eleição não é nada bom no sentido da radicalização. O pior é que até agora, a despeito de haverem todas as condições para tal, não houve avanço da terceira via, que por certo faria reduzir tamanha tensão. Persistirá, portanto, o clima e espera-se que o ocorrido gere uma onda muito forte contra o fanatismo e pelo retorno de uma disputa civilizada como aparentamos merecer.

 Pesquisa 

Pesquisa FSB-BTG encurta distância: Lula 41, Bolsonaro 32, Ciro Gomes 8%. Ainda falta densidade a Ciro, apesar dos ganhos percentuais, para o papel de terceira via. 

Dos nossos 

Perdemos ontem um dos nossos maiores batalhadores: morreu, em decorrência de um AVC, o cardiologista Mario Maranhão. Mario se ligou a nós numa fonte comum: o Diário do Paraná, onde era repórter enquanto estudava Medicina. O Diário saiu de circulação, mas há muito tempo no aniversário da cidade, 29 de março, promove reuniões com seus ex-profissionais. E é nesses momentos que todos fruem as lembranças do primeiro jornal da rede nacional dos Associados a circular no Paraná. Mario, um dos entusiastas desses encontros de nostalgia e amizade, atendia numerosos ex-colegas como médico e orientador. O peso da ausência será indimensionável. 

Sinal 

Como se dá em todo começo de semana, um fato a celebrar: 11.276 vagas com carteira de trabalho assinada no mercado nas agências do trabalhador do governo estadual. Um dos mais sensíveis aspectos dessa oferta é a sua distribuição por todo o Paraná, a capital normalmente com menos de 2 mil vagas. 

Suicídio 

Intriga estudiosos de fenômenos psicossociais a estatística de suicídios no Paraná, que teria dobrado em seis anos. 

Exemplo 

Notícias oficiais indicam que a China em sete anos reduzia pela metade os efeitos da forte poluição que a atormentava. Pelo jeito combateu o mal com o mesmo ímpeto com que adota o lockdown no enfrentamento da pandemia. 

Prorrogação 

Face a conjuntura, houve prorrogação das medidas defensivas do frete caminhoneiro que se completarão com outras da emenda kamikaze. 

Onda mantida 

Apesar das oscilações decrescentes, a onda é mantida tanto na média das mortes como na dos casos, que chegaram a 56 mil. É visível o afrouxamento das medidas preventivas como a tolerância com máscaras. 

LEIA TAMBÉM:

No pesadelo
Colher de chá

HIV preocupa 

Em quatro anos - de 2018 para cá - a terapia de prevenção ao HIV perdeu 39% dos pacientes em 4 anos. Atendidos no país caíram de 64 mil para 39 mil e o Ministério da Saúde toma medidas possíveis para facilitar o acesso. 

Pasteur 

Acaba de ser firmado acordo entre o governo paulista, a Universidade de São Paulo e o Instituto Pasteur, da França, para a montagem de uma unidade da instituição francesa no país. Na cerimônia, que celebrou também os 60 anos da Fapespe, a fundação renovou por mais um ano seu apoio à Plataforma Científica Pasteur-USP (SPPU em inglês), conjunto de laboratórios que abrigará a unidade brasileira do Pasteur.

Bienal 

Um púbico de 660 mil pessoas marcou o sucesso da Bienal do LIvro em São Paulo, surpreendentemente próximo dos 663 mil de 2018 e houve aumento de 40% a mais com a aquisição de obras. 

Evasão 

Idosos (mais de 60 anos) foram a maioria dos que deixaram o mercado do trabalho em meio à pandemia. Houve saída de 2,6 milhões face ao desânimo com as vagas disponíveis segundo o IBGE.      

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.