|
  • Bitcoin 121.439
  • Dólar 5,0555
  • Euro 5,2186
Londrina

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

m de leitura Atualizado em 01/08/2022, 00:23

Tá precisando de recursos? Que tal uma vaquinha virtual?

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 01 de agosto de 2022

Lucas V. Araújo
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Financiamento da inovação é sempre um assunto importante, sobretudo em tempos nos quais o custo do capital é maior.

Dias atrás tratei aqui nesta coluna da Folha que as startups estão enfrentado dificuldades, sobretudo no que diz respeito à obtenção de recursos.

Hoje quero tratar de uma inovação promissora: equity crowdfunding. Crowdfunding é popularmente chamado de “vaquinha virtual”, quando precisamos de recursos para algo e pedimos que as pessoas nos ajudem com certas quantias. O termo técnico para isso é financiamento coletivo virtual. Equity é uma modalidade de investimento em empresas inovadoras, como o é também o venture capital.

. .
. |  Foto: IStock
 

Até pouco tempo atrás havia diferenças bem claras entre essas modalidades. Crowdfunding, por exemplo, é uma forma de fazer doação, na qual você concede um valor a alguém que precisa de recursos, por exemplo, para fazer uma reportagem. Equity e venture capital são formas de investir em empresas inovadoras e, assim, ter participação nelas com a expectativa de vendê-la no futuro e obter lucro.

O crowdfunding equity permite a mistura das duas modalidades. O investidor se junta a outras pessoas para financiar uma firma inovadora, geralmente startup. Em troca, torna-se “dona” também do negócio, aproximando-se do que ocorre no mercado de ações. A empresa que recebe o financiamento obtém o recurso de maneira mais simples que numa rodada tradicional, tem a opção de diluir o custo do investimento entre vários investidores, e ainda escolhe quanto do capital social da firma vai ser comprometido com os novos sócios, reduzindo a chance de conflitos e melhorando a transparência.

Crowdfunding é uma modalidade regulamentada desde 2017 no Brasil, por meio de Instrução Normativa da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). No entanto, o equity crowdfunding é novo no nosso país. Algumas empresas se especializaram em serem os intermediários nesta operação.

Penso que essa modalidade é muito boa, mas para startups com características muito bem definidas. Por exemplo, aquelas que se baseiam em intermediação de negócios por meio de Tecnologia da Informação e da Comunicação (T.I.C). Isto é, aquelas que não dependem do desenvolvimento de tecnologia em áreas como química e farmacêutica, por exemplo, nas quais o tempo e o investimento para chegar a um produto passível de comercialização é maior e envolve risco bastante elevado. Tudo aquilo que o investidos detesta. Já tratei aqui nesta coluna o quanto é delicado produzir inovação nestes setores e destaquei a relevância que as universidades têm nesse papel.

Como a grande maioria das startups é baseada em T.I.C, o equity crowdfunding pode ser uma boa possibilidade. Se a startup já estiver faturando e precisando de recursos para ganhar escala rápido, melhor ainda. É tudo que os investidores buscam. Se você é investidor ou recebeu recursos por essa modalidade, me conte. Vai ser muito legal contar sua história.

*Lucas V. de Araujo: PhD e pós-doutorando em Comunicação e Inovação (USP). Professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), parecerista internacional e mentor Founder Institute. Autor de “Inovação em Comunicação no Brasil”, pioneiro na área.

...

A opinião do colunista não reflete, necesariamente, a da Folha de Londrina.

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link link