Vazamentos pouco afetam o cartaz da Lava Jato


“Ninguém teve a ousadia de tratar isso comigo”

Joice Hasselmann (PSL-SP) sobre uma “aposentadoria especial” para deputado


Vazamentos pouco afetam o cartaz da Lava Jato

Levantamento realizado em todo o País do instituto Paraná Pesquisas para o site Diário do Poder e esta coluna mostra que 87,6% dos brasileiros tomaram conhecimento da transcrição de supostas trocas de mensagens entre Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato. Mas, para 56,1% dos entrevistados, as acusações de um site de oposição ao governo Bolsonaro não colocam em dúvida os resultados da operação. Foram ouvidas 2.264 pessoas em todo o País entre os dias 17 e 21.


Acreditam em duendes

Para 38,1%, as supostas mensagens põem em dúvida a Lava Jato. Bem menos que os 44,8% dos votos do PT para presidente, em 2018.


Formadores de opinião

O maior apoio vem do grupo com ensino superior completo: 72,2% disseram que as conversas não provocam impactos na Lava Jato.


Propagação surte efeito

Jovens de 16 a 24 anos, influenciáveis no ambiente universitário, acham (52,1%) que as conversas alteraram a operação Lava Jato.


Todas as regiões

A maioria mantém a credibilidade na Lava Jato: Nordeste (51,8%), Sudeste (56,2%), Sul (58,7%) e Norte + Centro-Oeste (61,5%).


DF: ‘mesinha’ de servidores faz pose de deputado

O presidente da Câmara Legislativa do DF (CLDF), Rafael Prudente (MDB), avisa que não há chance de aprovar outro aumento salarial de servidores da Casa. Estranho é que o projeto existe, prevê despesa adicional de R$6 milhões, mas não tem autoria de deputado. É obra de uma certa “mesinha”, que é como é tratado, na própria presidência da CLDF, o grupo de cinco chefes da assessoria de cada um dos cinco integrantes da Mesa Diretora. Eles mandam muito. Ou tentam mandar.


Garimpando regalias

Os “garimpeiros” que integram a influente “mesinha” da Câmara do DF ganham até o dobro de deputado, mas ao menos sofrem abate-teto.


O ‘campeão’

Deputado ganha R$25,3 mil, quase metade dos R$49 mil do salário de Sidraque Anacleto, secretário executivo da 2ª Secretaria da Câmara.


Mas que beleza

Cleonice Leite, Marlon Cambraia, Tatiana Ribeiro e Jose Adenauer Lima, membros da “mesinha”, ganham entre R$16,6 mil e R$22,6 mil.


Dupla se fortalece

Em comunicação, Bolsonaro tem dado ouvidos, cada vez mais, a Fabio Wajngarten, secretário da área, e a sua advogada Karina Kufa. Ele despacha diariamente com Wajngarten e com Karina dia sim, dia não.


Bola no gol

Para um banco público que registrou lucro líquido de R$3,92 bilhões entre janeiro e março, a Caixa tem feito coisas mais relevantes do que sugerem as fofocas sobre a vida amorosa dos seus dirigentes.


Reação continua

A economia voltou a dar sinais de reação. A alta na arrecadação de maio (1,92%), maior que a alta no acumulado do ano (1,28%), indica tendência de melhora nos próximos meses, com produção em alta.


Tá feia a coisa

Pesquisa AirHelp, especialista em direitos de passageiros, mostra que piorou a pontualidade de oito dos dez principais aeroportos do Brasil. Piorou muito no Rio (Santos Dumont) e em Campinas (Viracopos).


Revanche parlamentar

O Congresso, que sempre reclamou de prerrogativas usurpadas pelas medidas provisórias do presidente, enquanto vigorava o “toma lá, dá cá”, hoje pratica “vingança” esvaziando poderes do presidente.


Que tal expandir

Só vai participar das eleições para conselheiro tutelar no DF quem tirar no mínimo nota 6 em prova de conhecimentos específicos. Tem gente defendendo expandir a ideia para a Câmara Legislativa e o Congresso.


Fim dos lixões

O Marco Regulatório do Saneamento Básico foi aprovado no Senado. Para o presidente da Associação de Empresas de Tratamento de Resíduos, Luiz Gonzaga, foi “momento decisivo para o fim dos lixões”.


Dia do Migrante

Em 25 de junho comemora-se o Dia do Migrante. É a data que lembra os que tiveram de fugir de guerras, catástrofes, perseguição política. Também marca o Dia Mundial do Refugiado no Brasil (dia 20 de junho).


Pergunta no INSS

Ao atingir a meta de R$ 1 trilhão, o governo vai dobrar a meta?


PODER SEM PUDOR

Vazamentos pouco afetam o cartaz da Lava Jato
Charge
 


Quebra-quebra

O saudoso deputado Maurício Fruet adorava pegadinhas. Certa vez, o mau tempo fez o vôo Rio-Curitiba seguir para São Paulo, depois para Londrina, onde pernoitaram em hotel. Na manhã seguinte avisaram que o vôo iria para Florianópolis. Fruet entrou em ação, falando alto: “O pior é que eles querem nos cobrar o pernoite em Londrina!...” Os passageiros foram contidos à força. Queriam quebrar tudo.

___

Com André Brito e Tiago Vasconcelos

www.diariodopoder.com.br

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo