Maia ‘esquece’ acordo e já articula sua sucessão


“Atrapalhando os cidadãos de uma maneira diferente”

Deputado Arthur do Val sobre a proibição de copos e pratos de plástico em São Paulo


Maia ‘esquece’ acordo e já articula sua sucessão

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já esqueceu o acordo que fez há um ano no apartamento paulistano do presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), para apoiar o deputado Arthur Lira à sua sucessão, no início de 2021, e articula três opções diferentes. Dois deles foram ministros de Dilma investigados por corrupção: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Fernando Bezerra Filho (MDB-PE). Outro que supõe contar com apoio de Maia é Baleia Rossi (SP), presidente do MDB.


Saiu e ajudou

Há um ano, Arthur Lira saiu da disputa e ainda garantiu a Maia os votos do MDB e PTB, liquidando a pretensão de Fabio Ramalho (MDB-MG).


Momento certo

Lira admite o sonho de presidir a Câmara, “como todo deputado”, mas afirma que o seu partido decidirá sobre o assunto “no momento certo”.


Apoio esperado

Líder do PP, Arthur Lira parece tranquilo em relação ao presidente da Casa: “Apoio de Rodrigo Maia é importante e espero contar com ele”.


Ciúmes de você

Por seu protagonismo no plenário, como fiel da balança nas decisões mais importantes, Arthur Lira acabou despertando os ciúmes em Maia.


DPVAT vira caso de polícia, mas Toffoli silencia

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli mandou dizer que não comentará a grave revelação de auditoria nas contas da Seguradora Líder, que controla o DPVAT, sobre pagamentos suspeitos a pessoas ligadas a ministros da própria Corte, além de políticos do Congresso e integrantes do governo, entre os anos de 2008 e 2017. Os pagamentos milionários por “serviços prestados” dos quais mal se recordam. A auditoria foi realizada pela empresa de consultoria KPMG.




‘Não há o que comentar’

A assessoria de Toffoli informou que “o relatório menciona ex-assessor e datas em que ele já não trabalhava mais no gabinete do ministro”.


Relações promíscuas

O relatório cita possíveis relações promíscuas que sugerem eventual estratégia do DPVAT de obter decisões favoráveis das autoridades.


Ganhos pornográficos

Um cartel de seguradoras controla há décadas o seguro obrigatório de veículos, rateando o faturamento pornográfico anual de R$41 bilhões.


Lorota de malandro

Distribuidoras/atravessadoras de combustíveis agora “plantam” em jornalões a mentira de que a venda direta de etanol, pelas usinas, aos postos custaria até R$3 bilhões ao governo federal. É lorota.


Corrupção não merece troféu

No dia em que o documentário em defesa de Dilma, Lula e o PT foi indicado ao Oscar, a Associação de Delegados da Polícia Federal (ADPF) foi às redes sociais para reforçar que “o enfrentamento à corrupção é uma pauta prioritária para a PF”.


Mamata chega ao fim

A administração de Itaipu promete encerrar até sexta (17) as atividades do escritório em Curitiba, a 650km da sede da usina. O fechamento começou em julho, mas foi interrompido pela Justiça do Trabalho.



Continue lendo


Últimas notícias